Alex Silva|Estadão
Marcos Assunção fala aos atletas do São Bernardo sobre futuro incerto do jogador de futebol Alex Silva|Estadão

Salários milionários e futuro incerto

Jogadores contratam consultores para ajudar a planejar futuro, até com resistência da família

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

30 de maio de 2016 | 07h00

A carreira de jogador de futebol tem mais desafios do que aqueles que vemos dentro de campo. Um deles é aprender a lidar com fato de que, em muitos casos, jovens se deparam com cifras milionárias em suas contas bancárias e sem orientação adequada acabam perdendo tudo por falta de conhecimento e cautela para administrar as finanças. Com o passar dos anos, os jogadores começaram a se preocupar mais com o tema e muitos buscam ajuda de especialistas.

Como isso, cresce a cada dia o número de consultores financeiros especializados em trabalhar com atletas. Inclusive, alguns deles são ex-jogadores que conseguiram ver neste nicho de mercado, a forma de dar início a uma nova profissão e ajudar ex-companheiros. Estudo feito pela consultoria alemã Schips Finanz, em 2011, aponta que 50% dos profissionais de futebol terminam a carreira com problemas financeiros. Um número preocupante, tendo em vista que boa parte deles recebem salários bem acima da média dos trabalhadores.

“O problema é que os jogadores ganham salários elevados e por não saber gerir ou até mesmo não ter tanto tempo para olhar para esse ponto com atenção, acabam administrando mal os recursos e depois têm de viver mais 40, 50 anos com dificuldades”, explicou Felipe Carrilho, especialista em administrar finanças dos jogadores.

Atualmente, Carrilho trabalha com 19 clientes. Seu trabalho começou em 2006, quando o ex-atacante Deivid o procurou para ajudá-lo a resolver uma pendência com a Receita Federal. Daí ele percebeu a carência no setor e passou a explorar o tema, como outros seguiram o mesmo caminho. O ex-zagueiro William, com passagens por Corinthians e Grêmio, entre outros, é um exemplo de atletas que se tornaram “gurus financeiros” de jogadores. Investimento em imóveis é o preferido pelos boleiros, embora não esteja entre os mais rentáveis. Por isso, em determinadas situações, os consultores enfrentam dificuldades para explicar aos clientes a importância de diversificar os investimentos.

Existem também algumas regras para que seus clientes não sejam explorados. Um deles é comprar bens sem que seja revelada a real identidade do comprador. “Quando a gente vai comprar um carro, não falamos que é para um atleta, pois sabemos que o ágio vai lá para cima. Com imóveis também percebemos isso”, disse Carrilho. O trabalho também acaba rendendo histórias boas e ruins. Presenciar brigas familiares se tornou algo corriqueiro para esses investidores. O jogador quer investir uma parte grande de seu salário, mas pessoas em sua volta não concordam.

A reportagem conversou com um investidor, que pediu para não ser identificado por trabalhar com atletas que recebem altas remunerações, e contou que já presenciou diversas brigas. “Já teve um episódio em que o casal se separou por causa disso. Ela achava um absurdo ele separar 50% do que ganhava para guardar e investir. E olha que ele ganhava mais de R$ 300 mil”, contou. Ele também lembra de um episódio em que precisava “maquiar” os números para apresentar à mulher de um atleta, que tinha, secretamente, um filho fora do casamento. “Eu tinha dois projetos. O original, que eu mostrava só para ele e um outro que eu apresentava para o casal, onde tinha que esconder os gastos com a outra família”, contou, aos risos. E como esperado, nenhum nome pode ser revelado. “Ele me mataria”, brincou.

Já Carrilho lembra de um jogador que decidiu gastar apenas 5% do que recebia. “Ele resolveu viver uma vida normal, sem extravagâncias. Se pensar em um jogador que ganha R$ 100 mil, R$ 120 mil, ele gastava uns R$ 5 ou 6 mil por mês. Muitas famílias vivem com uma renda dessa e tem um vida tranquila”, disse o consultor. 

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
FutebolFinanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'Tenho tranquilidade para me aprimorar', diz Assunção

Bem de vida após aposentadoria, ele auxilia colegas mais jovens

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

30 de maio de 2016 | 07h00

Marcos Assunção se aposentou recentemente e é um exemplo de atleta que soube gerenciar seus rendimentos com cautela e organização. O ex-jogador de Palmeiras, Roma, seleção brasileira conta que desde o início da carreira tinha a preocupação de não passar por dificuldades depois que pendurasse as chuteiras e que sempre tentou passar a sua experiência aos mais jovens.

Você tem diversos imóveis e uma vida financeira bem saudável. Foi difícil chegar neste nível ao fim da carreira?

Eu tinha uma base com pessoas do bem ao meu lado, como meu empresário, o Ely Coimbra Filho, que conheço desde os 17 anos. A carreira de jogador é curta e vivemos um sobe e desce muito grande. Hoje, você pode receber um bom salário, mas amanhã pode estar em um time pequeno. Por isso é preciso manter uma média do quanto gastar. Hoje, tenho tranquilidade para estudar e me aprimorar para seguir outra carreira. Desde que comecei a jogar tive essa preocupação de não ter de sair feito um louco procurando emprego sem saber o que fazer, só para ter uma renda. Vejo vários amigos passando por isso.

Você aconselhava os jogadores mais jovens a poupar dinheiro?

Tinha muita dessas conversas com os mais novos no Palmeiras e no Santos. Falava com o Gabriel, Alison, Geuvânio, Gasparotto, o Renato (do Palmeiras). Eu falava para eles que hoje eles ganham R$ 100 ou R$ 200 mil e estão no Palmeiras ou no Santos, então gaste R$ 30 mil, R$ 40 mil ou até R$ 50 mil e guarde o resto. Amanhã, você entra em uma fase ruim, vai parar em time pequeno, ganhando menos e vivendo outra realidade. A pior coisa é você ter sido um cara famoso, com dinheiro e não ter nada depois. O que me deixava feliz é que eles me ouviam e me respeitavam muito.

Sua família apoiava sua postura?

Totalmente. Sei que jamais voltarei a receber o que recebia nos tempos em que era jogador, mas terei condições de levar minha família em um bom restaurante ou poder dar um presente que meu filho quer. Só que sempre mostrei para ele a importância do dinheiro. Hoje, ele têm quatro pares de tênis e eu na idade dele tinha um chinelo quebrado que eu colocava prego para conseguir usar. Meu pai saía para trabalhar às 5h da manhã e chegava em casa às 23h e nunca conseguiu dar o que estou dando para eles. Só quero que meu filho valorize isso e entenda que as coisas não são fáceis na vida.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolFinançasMarcos Assunção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O inglês Best e o craque Garrincha, exemplos negativos

Ídolo do United gastou quase toda sua fortuna com mulheres, bebidas e carro

O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2016 | 07h00

Existem diversos casos de jogadores que ganharam milhões e perderam tudo por falta de controle, más companhias ou desconhecimento para gerenciar as finanças. Um dos casos mais famosos é do irlandês George Best. No Brasil, a história mais emblemática é de Garrincha.

Algo comum é o exagero com as baladas. Best, que atuou entre as décadas de 60 e 80 e morreu no ano passado, ganhou milhões nos tempos em que era ídolo do Manchester United, mas ainda como jogador, teve uma queda vertiginosa na carreira e perambulou por clubes pequenos, para ganhar alguns trocados. 

“Gastei 90% do meu dinheiro em bebida, mulheres e carro. O resto eu desperdicei”, era a frase mais emblemática do astro irlandês. 

Exemplo parecido é o de Garrincha. O ídolo maior do Botafogo ganhou muito dinheiro, mas morreu em condições financeiras precárias. O ex-atacante Muller, em 2011, admitiu estar morando de favor na casa do ex-companheiro de São Paulo, Pavão.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolGarrinchaFinanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Sindicato da curso, mas procura é baixa

O Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado de São Paulo tem demonstrado preocupação com as finanças dos jogadores. A entidade tem oferecido cursos para ajudá-los neste sentido. 

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

30 de maio de 2016 | 07h00

De fato, os atletas geralmente não se dedicam aos estudos enquanto são jogadores. O mais comum são casos de alguns que estudam línguas, principalmente o inglês, pensando, além da questão pessoal, também em possíveis transferências para o exterior.

Os cursos ainda não conseguem cativar atletas renomados. Durante o evento, por exemplo, os jogadores presentes atuavam em clubes como São Bernardo e Atibaia.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolFinanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.