Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Sampaoli admite inferioridade santista no 1º tempo e destaca marcação corintiana

Para técnico do Santos, equipe 'não encontrou a forma certa' para trabalhar na primeira metade de duelo

Redação, Estadão Conteúdo

10 de março de 2019 | 20h02

Após empate sem gols com o Corinthians neste domingo, em Itaquera, o treinador do Santos, Jorge Sampaoli, destacou a atuação do rival. Segundo o argentino, o adversário teve "mérito na marcação alta" feita no primeiro tempo. O técnico admitiu que a pressão exercida "dificultou a saída de bola" de seu time e por isso ele promoveu alterações no intervalo.

Para Sampaoli, o Santos "não encontrou a forma certa" para trabalhar com a posse na etapa inicial. A equipe foi a campo com uma configuração tática diferente, com três zagueiros. O esquema, segundo o treinador, era um 3-4-1-2, com o uruguaio Carlos Sánchez como articulador, para "criar jogadas com os alas e os atacantes". Alison jogou pelo lado direito da defesa para fortalecer a defesa "pelo alto".

Deslocado, o volante de origem foi mal na partida, sofrendo para fazer a saída de bola e perdido na marcação. No meio do primeiro tempo, Alison voltou à sua posição original, restaurando a linha de quatro da defesa santista. Entretanto, nem ele nem o time melhoraram, o que fez com que Sampaoli mexesse na equipe no intervalo.

Na segunda etapa, Christian Cueva e Rodrygo foram a campo nas vagas de Alison e Jean Lucas, também volante. Segundo o técnico, eles deram "novo ar" ao ataque santista. Para Sampaoli, o Santos retornou "bem melhor" do intervalo e levou perigo ao Corinthians. Com as substituições, a equipe voltou a jogar na sua configuração padrão.

O argentino destacou que o time praiano conseguiu criar chances de gol, o que não ocorreu no primeiro tempo "por causa da marcação" corintiana. Outro aspecto positivo apontado pelo treinador foi o bom trabalho defensivo "dentro da própria área".

Individualmente, Sampaoli destacou, além de Cueva e Rodrygo, o volante Diego Pituca. O técnico rasgou elogios ao polivalente jogador, destacando sua "excelente leitura de jogo" e sua a capacidade de atuar em múltiplas funções, "inclusive primeiro volante". Foi nesta posição que Pituca jogou na segunda etapa, dando mais equilíbrio ao time.

Para o argentino, o clássico deste domingo foi um jogo "interessante" e "um aprendizado para os técnicos". Ele também salientou a "intensidade" demonstrada pelos jogadores das duas equipes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.