Sampaoli descarta 'triunfo moral' e lamenta trave no fim

Técnico afirma que sua equipe poderia ter feito história, e exalta a 'posição de protagonista' que a seleção chilena assumiu na Copa

Vítor Marques - Enviado especial a Belo Horizonte, O Estado de S. Paulo

28 de junho de 2014 | 17h22

O técnico Jorge Sampaoli lamentou a maneira como o Chile foi eliminado da Copa do Mundo, na disputa por pênaltis, quando perdeu por 3 a 2 para a seleção brasileira. Ele disse que sua seleção ficou muito próxima de fazer história. E também não se conformou com a bola que explodiu no travessão no segundo tempo da prorrogação. Pinilla acertou um lindo chute de fora da área, a dois minutos do fim do jogo. Mas a bola bateu na trave e o jogo foi decidido nos pênaltis.

"Aquele foi o momento para fazermos história, um ''Mineiraço''. Seria um momento histórico para o todo povo chileno. Fizemos uma modificação tática importante no segundo tempo, neutralizamos o Brasil, não corríamos muitos riscos, e no final quase ganhamos", declarou o treinador argentino do Chile.

Sampaoli disse foi muito doloroso ser eliminado na disputa por pênaltis. Ele afirmou que sua seleção, apesar de estar fora da Copa, cumpriu o que se prometeu, que foi enfrentar de igual para igual com seleções fortes como Espanha, Holanda e Brasil.

"Não existe triunfo moral, o triunfo moral não dá pontos, quem está na Copa é o Brasil, nós não estamos. Fizemos jogos eletrizantes, numa posição de protagonista e não de submissões. Não fomos coroados com a vitória, mas são coisas do futebol. Disputa de pênaltis é mais algo fortuito do que qualquer outra coisa", analisou.

Sampaoli evitou falar sobre as próximas competições que sua seleção vai disputar. A próxima é a Copa América 2015, que será realizada no Chile. A tendência é que ele continue no cargo de treinador da seleção. Sampaoli tem o respaldo da federação chilena e também dos jogadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.