Yuri Cortez/AFP
Yuri Cortez/AFP

Sampaoli diz esperar por Argentina 'decidida a provar' que ainda é uma potência

Técnico vê equipe consolidada e confiante em um bom desempenho na Copa do Mundo

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

15 Junho 2018 | 14h26

O técnico Jorge Sampaoli afirmou que a Argentina vai provar no Mundial da Rússia que continua sendo uma potência no futebol. A equipe estreia neste sábado diante da Islândia, em Moscou, às 10h (Brasília). "Parece que chegamos a um ponto muito consolidado e estamos muito bem preparados. Conseguimos ajustar conceitualmente algumas coisas que faltavam por causa do tempo. Espero uma Argentina decidida e com valores para provar que segue sendo uma potência futebolística", afirmou o treinador na última entrevista coletiva antes da primeira partida da sua seleção na Copa.

+ Confira os gols do dia na Copa do Mundo

AFA acusa presidente da CBF de 'traição' por voto no Marrocos na Fifa

+ Infantino defende substituição de presidente da CBF após mal-estar em eleição

A confiança do treinador se baseia no período de treinamento que ele conseguiu antes do Mundial. "Esses 20 dias com 34 treinamentos nos permitiram ter uma maior intensidade de trabalho, escolher a funcionalidade da equipe para um torneio tão importante. Temos muita esperança com o que produziu a equipe para a Copa do Mundo", disse o comandante.

A seleção argentina optou por não fazer o famoso treino de reconhecimento no estádio do Spartak, local da partida de estreia contra a Islândia. Nesta sexta, o último treino antes da estreia foi na cidade onde a delegação está concentrada, Bronnitsy. Sampaoli também confirmou o time da estreia - é a mesma escalação que vem atuando desde o início da semana: Caballero, Salvio, Otamendi, Rojo e Tagliafico; Mascherano e Biglia; Meza, Messi e Di María; Agüero.

 

O treinador reafirmou a preocupação com o jogo aéreo da Islândia. Nos treinamentos, ele ensaiou várias jogadas para tentar neutralizar a principal característica da estreante em Mundiais. "Não podemos mudar a estatura dos nossos rivais, mas podemos ensaiar estratégias para neutralizar essa característica. Temos muito respeito pela Islândia, pois é uma equipe que pode nos fazer sofrer", disse o treinador.

Sampaoli afirmou que a estreia na Copa do Mundo é um momento especial em sua carreira. "É o meu segundo Mundial, mas o primeiro pelo meu país. É a realização de um sonho", disse o treinador, que dirigiu o Chile na Copa de 2014, no Brasil.

A motivação de Messi para a grande competição na Rússia também foi tema da entrevista coletiva de Sampaoli. "Messi está bem, animado e motivado. Por tudo o que ele mostrou até hoje, não deveria existir pressão nenhuma. Não acredito que seja o último Mundial de Messi", disse o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.