Georgi Licovski/EFE
Georgi Licovski/EFE

Sampaoli esconde escalação, mas promete 'nova história' contra a Nigéria

Técnico da Argentina promete vitória e classificação para as oitavas de final, contando com uma derrota da Islândia

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2018 | 15h18

O técnico Jorge Sampaoli promete uma Argentina diferente nesta terça-feira, diante da Nigéria, em São Petersburgo, para conseguir a classificação às oitavas de final da Copa do Mundo. Sem confirmar a escalação da equipe ou quais mudanças serão feitas, o treinador garante que o time vai vencer - além do triunfo, a Argentina tem de torcer contra a Islândia diante da Croácia.

+ Mikel tem fratura e vira dúvida na Nigéria para confronto diante da Argentina

+ Grandes seleções jogam mata-mata antecipado na fase de grupos

+ MAURO CEZAR: Dois gigantes ameaçados

Sampaoli garante que a pressão da imprensa na semana passada e a desconfiança dos torcedores após a derrota para a Croácia não afetaram o grupo. "Não me importo com esse mundo virtual. Mas muitas pessoas que estão perto de mim são parte deste mundo e não é fácil separá-los. Às vezes, tenho que me meter neste mundo virtual para mostrar a realidade que nos compete aqui, que é a realidade da Argentina."

"Não vencemos a Croácia, nos complicamos e temos que trabalhar de maneira real e com sentimento. Estou convencido que a partir de amanhã [terça] muda a história para esta seleção. Tenho muitos argumentos para acreditar nisso", afirmou o treinador em entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira em São Petersburgo.

Na sexta-feira, os jogadores, liderados por Javier Mascherano, fizeram uma reunião para mostrar que estavam descontentes com o estilo do treinador. Resumidamente, eram duas queixas: evitar tantas mudanças no time, mantendo uma base titular, e fazer coisas mais simples.

 

Os jogadores também se queixaram da falta de convicção do treinador. A imprensa argentina revelou que os jogadores teriam assumido o controle do time e que o treinador seria apenas uma figura decorativa. Claudio Tapia, presidente da Associação de Futebol Argentino, negou os rumores e criticou a imprensa. "Eu conversei com os jogadores individualmente, mas o que nós conversamos nunca vai ser divulgado", afirmou o treinador.

Sampaoli afirmou que tem a escalação para o jogo decisivo na cabeça, mas não quis divulgá-la, pois ainda não havia falado com os jogadores. Ele deve escalar um esquema mais simples (4-4-2) e voltar a apostar nos medalhões. Os chamados jogadores históricos, como dizem os argentinos. Gonzalo Higuaín deve ser o camisa 9 no lugar de Agüero e Di María vai voltar ao meio, depois de ter sido barrado no último jogo. Mercado e Salvio vão jogar na defesa.

"Tenho certeza de que o time jogará melhor. O que fizermos nesses dias foi preparar a seleção de forma coerente para que consiga a classificação", disse Sampaoli.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.