Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Sampaoli faz coletiva surpresa e diz que não sairá do Santos antes do fim do ano

Argentino quebra silêncio para explicar suas recentes reclamações contra decisões da diretoria

Redação, Estadão Conteúdo

12 de julho de 2019 | 13h38

O técnico argentino Jorge Sampaoli surpreendeu a todos nesta sexta-feira, em Santos, ao convocar uma entrevista coletiva de última hora no CT Rei Pelé - o atacante Marinho estava escalado para falar com os jornalistas antes da viagem para Salvador, onde o Santos enfrentará o Bahia neste sábado, pela 10.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O comandante quebrou o silêncio e explicou que foi a público para falar sobre suas recentes reclamações formais e que é impossível pedir demissão neste momento.

"Impossível (sair). Tenho um compromisso muito grande com todos aqui dentro. Tenho compromisso com todos os jogadores que estão aqui. Impossível, não abandonaria. Com o recurso que temos, temos que remendar. É isso que reclamo. Reclamarei todos os dias para que o Santos cresça", afirmou Sampaoli em uma concorrida entrevista coletiva.

O argentino, no entanto, ressaltou que a sua permanência em Santos para o ano que vem dependerá do que ele conseguir construir no Brasileirão e se estará satisfeito com tudo dentro do clube. O técnico tem contrato até dezembro de 2020. "Não sei (se ficarei até o final do contrato). Se perco quatro partidas, vão querer que eu deixe o Santos. Tenho um projeto e se estiver de acordo, se eu construir em um ano o que eu quero, eu continuo", comentou.

Disposto a esclarecer as recentes divergências com o presidente José Carlos Peres, que concedeu uma entrevista coletiva no dia anterior, o treinador explicou os motivos que o fizeram reclamar do mandatário e garantiu que não está chateado com o dirigente alvinegro.

"No primeiro dia que vim ao Santos tinha a ideia de construir um Santos campeão e protagonista. Reclamo ao presidente, ao gerente e aos jogadores. Temos que reclamar para estar à altura do Santos. Vivo reclamando sempre pelo Santos. É o meu clube e quero levar à altura. Não importa se tem problema financeiro, temos que buscar uma estrutura que faça com que o Santos tenha um time protagonista e competitivo. Tem que respeitar essa camiseta. Reclamo com todos o tempo todo", desabafou.

Sampaoli lamentou que o e-mail para Peres cobrando mudanças tenha vazado, mas disse que toda cobrança que faz nos bastidores é pensando no bem do Santos. Ainda de acordo com o treinador, o clube tem que ter como meta o Santos de Pelé.

"Me pareceu muito ruim que o e-mail vazou. Foi algo pessoal entre o treinador e o presidente. Trabalhamos para o Santos. Quero declarar que é algo que já passou. Não sou ninguém para criticar a função do presidente. Temos que encontrar o Santos de Pelé e superar. Era um time insuperável", completou o comandante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.