Samsung rompe contrato e CBF perde seu 5º patrocinador

Empresa sul-coreana alegou 'revisão de estratégia de patrocínio' ao cancelar acordo

Estadão Conteúdo

17 de novembro de 2016 | 19h28

As investigações que atingem seus ex-presidentes estão custando caro à Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Desde que o escândalo de corrupção estourou, a entidade já perdeu cinco patrocinadores. Nesta quinta-feira, foi a vez de a sul-coreana Samsung anunciar o rompimento de contrato.

"A Samsung informa que revisou a sua estratégia de patrocínio e decidiu cancelar a parceria com a Seleção Brasileira de Futebol", disse a empresa, em nota publicada pelo jornal Meio & Mensagem.

Em outubro do ano passado, já em meio ao escândalo de corrupção que chegou a afastar Marco Polo Del Nero do comando da CBF, a entidade tinha 14 patrocinadores. Esse número chegou a cair para 10 com as saídas da Michelin, Procter & Gamble (Gillette), BRF Brasil (Sadia) e Petrobrás.

O número de patrocinadores voltou a subir com a assinatura de contrato com a Cimed, empresa nacional do ramo farmacêutico, mas agora retorna a 10. Seguem ligadas à CBF as seguintes empresas: Nike, Itaú, Vivo, Ambev (Guaraná Antarctica), General Motors (Chevrolet), Mastercard, GOL, EF Englistown, Cimed e Ultrafarma.

A CBF ainda não se pronunciou sobre o fim do acordo, que foi assinado no segundo semestre de 2013 e teria duração de cinco anos. Há alguns dias a marca já não aparecia no site oficial da entidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.