Pedro Ernesto Guerra Azevedo / Santos FC
Pedro Ernesto Guerra Azevedo / Santos FC

Sánchez pede tranquilidade para Santos superar momento difícil

Atacante diz que equipe precisa seguir exemplo da seleção uruguaia e conseguir vitórias, mesmo que sejam apertadas

Estadão Conteúdo

07 Agosto 2018 | 11h26

A manutenção da tranquilidade em um cenário de pressão pela falta de vitórias no Santos e o risco de rebaixamento no Campeonato Brasileiro foi a tônica da entrevista coletiva concedida por Carlos Sánchez, no CT Rei Pelé, nesta terça-feira. Em 17º lugar, com 17 pontos, o time vai visitar o 19º Ceará, com 14, na quarta, no Estádio Presidente Vargas, em confronto antecipado da 20ª rodada.

Jogador da seleção uruguaia, Sánchez citou até mesmo as sofridas vitórias da sua equipe nacional como inspiração para o time superar o momento difícil e conquistar o primeiro triunfo após a pausa da Copa do Mundo. "Tem que ser como fazíamos muito no Uruguai, ganhando de 1 a 0 e 2 a 1, com resultado justo. Temos que manter a tranquilidade", afirmou.

Sánchez fez a sua estreia pelo Santos no empate por 0 a 0 com o Botafogo, sábado, no Engenhão, escalado mais avançado em um meio-campo que contava com dois volantes - Alison e Renato. O uruguaio não vê problema em jogar mais avançado e garante que exercerá a função desejada pelo técnico Cuca.

"Falei muito com Cuca. Cheguei ao clube pensando em jogar e o técnico dá as indicações do que pretende. A ideia é fazer à perfeição. Posso jogar de volante ou chegar mais à área", disse o uruguaio.

Além de Sánchez, o Santos apostou na contratação de mais dois estrangeiros - o costa-riquenho Bryan Ruiz e o paraguaio Derlis González - para reagir na temporada. O uruguaio garante, porém, que não se incomoda com a possibilidade de ser alvo de cobranças maiores pela aposta alta da diretoria nele e em outros jogadores de fora do País. "A pressão é uma responsabilidade linda. Temos que corresponder. Temos que somar a maioria dos pontos", comentou.

Com a experiência de quem já atuou no Uruguai, na Argentina e no México, Sánchez agora começa a conhecer o futebol brasileiro e Santos. E gostou do que já viu. "Quero passear sempre, conhecer e me adaptar. Estão me tratando muito bem e estou ganhando muito com isso", concluiu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.