Arquivo/AE
Arquivo/AE

Sanchez promete ‘timão’ para conquistar a Libertadores

Presidente fala em ter dois bons jogadores em cada posição no time para o torneio continental de 2010

Fabio Hecico, enviado especial de O Estado de S. Paulo,

02 de julho de 2009 | 09h39

Fazer valer o apelido de Timão em 2010 é a grande meta de Andrés Sanchez. O presidente do Corinthians quer ser o dirigente responsável pela conquista da primeira Copa Libertadores pelo clube e promete não medir esforços para montar um "esquadrão" no ano do centenário do clube.

Veja também:

link Corinthians empata e conquista a Copa do Brasil

especial Wallpaper:  800 x 600 | 1024 x 768 | 1280 x 1024

mais imagens GALERIA DE FOTOS - Mais imagens da final

especialCOPA DO BRASIL - Leia mais sobre a decisão

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Zé Roberto, Tinga, Tevez, Lucas, Edu, Verón, Dida e Alex Silva são vários dos nomes ventilados como possíveis contratações para a próxima temporada. Para acabar com as especulações de que Vanderlei Luxemburgo seria o técnico no ano festivo, Andrés garantiu Mano Menezes para 2010, apesar de a renovação ainda não ter sido assinada. Mas a grande missão será ampliar o contrato de Ronaldo. O atacante está disposto a colaborar com gols no grande sonho alvinegro.

"Vamos ter dois bons jogadores para cada posição", diz o presidente, confiante em acabar com a fama de time sem passaporte,motivo de piadas dos rivais. Para pessoas próximas, ele já confidenciou que conquistar a Libertadores da América é seu grande sonho antes do fim do mandato.

Segurar o atual grupo também faz parte do "projeto Libertadores". Tanto que todos os contratos foram ampliados até dezembro de 2010, no mínimo. Morais foi adquirido em definitivo e a informação é de que só sairá quem não estiver nos planos de Mano. A ambição corintiana é grande. Andrés promete até brigar com europeus para não se desfazer da base vencedora: Felipe, Chicão, André Santos, Elias e Dentinho estão sob olhares de empresários dos grandes clubes do Velho Continente.

A ousadia do presidente vem da sua meta de entrar na próxima temporada com a dívida de quase R$ 100 milhões zerada após bons contratos de patrocínio. Sem dívidas, poderia bancar as propostas e ainda investir.

Por outro lado, alguns jogadores já estão de malas prontas. Lulinha, Otacílio Neto e Wellington Saci devem ser os primeiros a deixar o clube. Os dois primeiros têm propostas de empréstimos e o último decepcionou o treinador e nem foi relacionado para compor o grupo na final da Copa do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.