Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Sandro Silva ganha chance e Palmeiras muda para 3-5-2

Titular Diego Souza está suspenso para o confronto diante do Vitória neste domingo em Salvador

Agencia Estado

11 de setembro de 2009 | 18h45

Muricy Ramalho alterou o esquema tático do Palmeiras no treino desta sexta-feira. Com a ausência de Diego Souza, suspenso, o técnico escalou Sandro Silva como volante e recuou Edmílson para a defesa, montando a equipe no 3-5-2.

Veja também:

linkFigueroa é relacionado pela primeira vez

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Como o lateral Pablo Armero sentiu dores na coxa esquerda e foi poupado da atividade, Jéfferson também ganhou vaga entre os titulares. O colombiano será reavaliado no sábado para saber se viaja com o grupo a Salvador, onde o Palmeiras enfrenta o Vitória, no domingo.

Com o recuo de Edmílson e o retorno de Marcão para o miolo defensivo, Maurício voltou para a reserva. No meio-campo, Souza segue como substituto de Pierre.

O Palmeiras treinou nesta sexta com: Marcos; Danilo, Edmílson e Marcão; Wendel, Souza, Sandro Silva, Cleiton Xavier e Jéfferson; Vagner Love e Obina.

RECLAMAÇÃO

"É difícil achar no elenco um substituto para o Diego", disse Muricy, que voltou a reclamar de falta de peças de reposição no elenco palmeirense. "Eu sempre falo que para se ganhar uma competição como o Brasileiro é preciso ter um plantel, não um time."

Questionado se pode usar o esquema com três atacantes contra o Vitória, Muricy disse que sim, mas fez uma ressalva: "O ideal seria ter um jogador que fizesse na esquerda o que o Daniel faz na direita: ser atacante com a bola e compor o meio sem ela."

Muricy disse que seu sonhado "meia canhoto" não vem mais. "Fechou a janela do exterior", justificou o treinador. Edno, da Lusa, é atacante, mas seria boa opção para um jogo como o de domingo. "O problema é que os portugueses compram por um e querem vender por 15. Está difícil ele vir."

O Palmeiras ofereceu R$ 1,5 milhão à vista por 50% dos direitos econômicos de Edno. A proposta é inferior à do Corinthians, mas a diretoria palmeirense acredita ter um trunfo: a premissa de liberar Edno para a primeira proposta que viesse de fora, o que agrada à Portuguesa.

(Atualizado às 22h51)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.