Santa Cruz atropelando pelo acesso

Líder disparado do Campeonato Brasileiro da Série B e já classificado entre os quatro primeiros colocados para a segunda fase da disputa - independentemente do resultado dos próximos três jogos a cumprir - o Santa Cruz espera, este ano, voltar à Primeira Divisão do futebol brasileiro. Sua situação nunca foi tão favorável, desde que ele foi rebaixado para a Segunda Divisão. A regularidade e unidade da equipe, que não possui grandes craques, mas trabalha dentro de um lema no estilo "um por todos, todos por um", é um dos segredos do sucesso do time, cujo mérito é creditado ao treinador Givanildo Oliveira, 54 anos. Sua liderança é absoluta dentro do grupo. Ninguém discute ou questiona suas ordens, seu método, suas escolhas. Há total confiança dos jogadores. Oliveira é responsável pela subida de dois times da série B para a série A: o América mineiro e o Paysandu, de Belém do Pará. O Santa Cruz espera ser o próximo. O técnico reitera que não há craques na equipe, mas uma grande união. "O grupo é coeso, fechado, alegre e não se deixa abater", afirma ele, responsável pela escolha da maioria das contratações feitas para a disputa do campeonato, quase todos então desconhecidos da torcida tricolor. O goleiro Kleber (Atlético paranaense), o zagueiro Carlinhos (Guarani de Campinas), o lateral direito Osmar (América mineiro) e o atacante Reinaldo (Vasco da Gama), artilheiro da equipe, são alguns exemplos. Carlinhos Bala (atacante que também atua como meia) e Rosembrick (meia esquerda), são os mais badalados da casa e se adequaram bem ao esquema montado por Givanildo. Até agora, o Santa já cumpriu os dois primeiros objetivos traçados por Oliveira: classificou-se entre os oito primeiros e já está entre os quatro primeiros. A terceira meta é voltar à elite do futebol brasileiro como campeão. A campanha, até agora vitoriosa, tem acoplado alguns rankings: melhor defesa (a que menos levou gols), maior número de vitórias (nos 40 jogos disputados neste ano, incluindo o estadual, perdeu quatro), e o maior saldo de gols. Há um ano o time não é derrotado em casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.