Santista Henrique defende Neymar após pênalti perdido

O pênalti perdido por Neymar no empate por 1 a 1 entre a seleção brasileira e a Colômbia, na noite da última quarta-feira, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, foi um dos assuntos mais comentados na manhã desta quinta no CT Rei Pelé, onde o Santos realizou mais um treino de preparação para o jogo deste sábado, contra o rebaixado Figueirense, às 19h30, na Vila Belmiro, pela antepenúltima rodada do Campeonato Brasileiro.

SANCHES FILHO, Agência Estado

15 de novembro de 2012 | 12h25

Escalado para dar entrevista coletiva, o volante Henrique não escapou de comentar o erro do atacante, que cobrou de forma bizarra a penalidade, jogando a bola muito por cima da meta colombiana. E o jogador do Santos saiu em defesa do seu companheiro, ressaltando que o gramado do Estádio MetLife colaborou para que a cobrança fosse tão ruim.

"Deu para perceber claramente que o estado ruim do gramado contribuiu para que ele errasse. Deve ter passado um monte de coisa do jogador naquele momento, pois se ele converte seria o gol da vitória, mas é compreensível porque o estado do gramado contribuiu para o erro", repetiu Henrique.

Sem poder contar com Neymar e Arouca, outro jogador que serviu a seleção brasileira, além do atacante Miralles, lesionado, Muricy Ramalho comandou um treino em campo reduzido nesta manhã de quinta. Por ainda não ter contado com a volta do atacante e do volante que viajaram até os Estados Unidos, o treinador ainda não definiu uma equipe titular nos treinamentos desta semana, mas a tendência é a de que repita o time que perdeu por 2 a 1 para o Atlético-GO, no último sábado, no Gama (DF). A única mudança deverá ser a entrada do lateral-esquerdo Juan no lugar de Gerson Magrão.

Mas, independentemente do time que Muricy escalar, Henrique reconhece que hoje o Santos atravessa uma fase bem menos animadora do que a vivida nesta mesma época em 2011, quando o time se preparava para jogar o Mundial de Clubes da Fifa. Em 12.º lugar no Brasileirão, a equipe não tem mais objetivos a buscar nestas três rodadas finais da competição.

"Esse momento que o Santos está passando neste final de ano é muito chato para os jogadores porque, no mesmo período do ano passado, a expectativa do Santos era a disputa do Mundial e se tornar o melhor time do mundo. E agora nós não estamos brigando nem por vaga na Libertadores. A realidade naquela época era bem outra. Agora o que nós pensamos apenas é terminar bem o Campeonato Brasileiro, honrando a camisa do Santos", disse o volante.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSantos FCHenrique

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.