Keiny Andrade/AE
Keiny Andrade/AE

Santistas evitam 'dancinha' em respeito a luto de André

Atacante perdeu o avô Roberto Ribeiro Ferreira, no sábado, no Rio de Janeiro

SANCHES FILHO, Agência Estado

28 de março de 2010 | 21h29

Não houve dança e nem festa nas comemorações dos gols do Santos na vitória por 5 a 0 sobre o Monte Azul, neste domingo, na Vila Belmiro. No primeiro, Marquinhos se limitou a homenagear Robinho, que assistia ao jogo num dos camarotes térreos da Vila Belmiro.

Veja também:

link Santos faz 5 a 0 no Monte Azul e fica perto de ser primeiro

"Mostrei a língua para ele, mas com todo o respeito. É assim que Robinho comemora", explicou o meia. As coreografias de Neymar ficaram de lado em respeito ao luto vivido por André, que perdeu o avô Roberto Ribeiro Ferreira, sábado, no Rio de Janeiro. O jovem atacante chegou a ser dispensado da partida de por Dorival Júnior para acompanhar os funerais, mas pediu para jogar.

"Preferi não ver o meu avô morto. A última lembrança que vou guardar dele é de quando estava vivo", explicou o garoto, que entrou em campo chorando. "Neste momento, André vive uma emoção acima do normal e foi por isso que procurei conversar com ele e deixá-lo à vontade para que decidisse o que entendesse como o melhor", disse Dorival Júnior.

No segundo gol, marcado por Paulo Henrique Lima, os jogadores comemoram abraçados diante do banco de reservas. E, no quinto, Neymar entregou a bola para que André cobrasse o pênalti. Desconcentrado, André não cobrou bem, mas aproveitou o rebote do goleiro do Monte Azul para concluir para as redes.

"Neymar me entregou a bola para eu cobrar o pênalti e pude fazer o gol que o meu avô tinha me pedido. Ele deve estar feliz lá em cima. Na hora em que recebi a notícia fiquei muito abalado e senti demais a sua morte porque ele não foi apenas um avô, mas meu pai também. Lamento não ter me despedido dele. Mas, prometi para os meus companheiros não chorar mais e sei que ele deixou de sofrer e agora descansa", resignou-se André, ao sair de campo.

Mesmo com mais uma goleada, Dorival Júnior não aprovou a atuação do Santos. "Não tivemos a velocidade dos jogos anteriores e permitimos, principalmente no primeiro tempo, que o Monte Azul tocasse a bola". O técnico destacou que o gol anulado de André - seria o sexto - foi legal. "Mas não podemos reclamar do juiz porque são jogadas de velocidade, podendo haver engano", completou o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.