Divulgação
Divulgação

Santistas forçam 3º amarelo e desfalcam equipe no Paulista

Prática já gerou problemas para o Palmeiras em 2013

O Estado de S. Paulo

03 de abril de 2016 | 22h14

O Santos pode se complicar por uma prática recorrente no futebol. Na partida contra o Capivariano, neste domingo, vários jogadores da equipe aproveitaram a definição do primeiro lugar no grupo para forçar o terceiro amarelo e garantir sua participação no jogo das quartas do Campeonato Paulista. Os atletas se revezaram em cobranças de falta na defesa e demoraram para bater, obrigando o juiz a aplicar o cartão.  A prática, que acontece com frequência em situações parecidas, pode ser punida pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) após declaração do atacante Gabriel, o Gabigol.

"Eu estava quase pedindo para entrar no rodízio para bater a falta porque ele (juiz) não estava dando o cartão para mim de jeito nenhum. Mas teve uma hora que eu reclamei mais forte e ele me deu. Claro que isso não é da minha pessoa, mas é o futebol. Faz parte", disse o jovem jogador após a partida.

Além dele, Elano, Thiago Maia e Gustavo Henrique forçaram a punição para ficar de fora da partida contra o Audax, no próximo domingo e que servirá apenas para a equipe "cumprir tabela" e assim não correm o risco de serem advertidos na última rodada da primeira fase e ficar de fora das fases de mata-mata. 

A prática já gerou punições para outro clube paulista: O Palmeiras. Em 2013, quando o Alviverde disputava a série B, o meia Valdivia assumiu ter forçado o cartão amarelo para receber a punição em partida em que estaria servindo a seleção chilena. Ele acabou recebendo uma pena de dois jogos, ao invés de apenas um pelo STJD. 

TREINADOR

Após o apito final, o técnico Dorival Júnior também falou sobre a atitude dos jogadores dos Santos em forçar a suspensão na última rodada do Paulistão. Para o técnico, a preocupação do time deve ser com o que é melhor para o Alvinegro e garante uma equipe competitiva na partida diante do Audax.

"Acabou acontecendo. Nesta fase decisiva não podemos dar bobeira em razão de cartões. Acho que aconteceu de uma maneira natural. Os cartões somados tiraram alguns jogadores e eu espero que mantenhamos a postura que a equipe apresenta com todos os jogadores em condições", disse o técnico. "Temos que nos preocupar com a nossa equipe, com o que é melhor para o Santos. Teremos uma equipe competitiva que respeitará o adversário e que representará o clube da melhor forma possível", completou Dorival.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.