Santistas não querem falar em recorde

Graças à força do seu ataque, o Santos soma 101 gols no Campeonato Brasileiro e está bem perto de igualar o recorde do Cruzeiro, que em 2003 levantou seu primeiro título nacional ao balançar as redes adversárias 102 vezes. Mas o time de Vanderlei Luxemburgo ignora solenemente a marca e pensa apenas em vencer o Vasco, domingo, no estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, para chegar à segunda conquista em brasileiros. "Não é o momento de pensarmos nos gols que marcamos até agora", afirmou o meia Ricardinho, um dos líderes do elenco. "O que nos importa é nos prepararmos bem para vencermos o jogo." A aparente despreocupação com o recorde ofensivo é uma das estratégias do técnico Vanderlei Luxemburgo para amenizar a pressão sobre a equipe, que tenta, mesmo sem convencer, valorizar o rival de domingo, já sem qualquer pretensão no campeonato. "O Vasco tem tradição, merece respeito", disse o meia Preto Casagrande, recuperado de cirurgia no tímpano esquerdo e garantido no duelo diante dos cariocas. "Com concentração e tranqüilidade, poderemos vencer", resumiu.Porém se o time da Vila Belmiro mantiver a produção ofensiva da reta de chegada do campeonato, os torcedores podem esperar muitos gols. Nos últimos dois jogos, a equipe venceu os goleiros rivais oito vezes. Mas a empolgação dos números e das arquibancadas não ilude o elenco. "O importante é conseguirmos a vitória, independentemente do número de gols", discursou Ricardinho. "Não vamos mudar nosso jeito de atuar, é a mesma maneira que utiizamos desde o início do campeonato", ponderou o lateral esquerdo Léo.MARCAÇÃO- No treino coletivo desta quinta-feira à tarde, no estádio Benedito Teixeira, Vanderlei Luxemburgo procurou trabalhar a marcação na saída de bola do adversário. Armou o time reserva com três zagueiros, apesar de ainda não conhecer, com profundidade, o esquema tático que o Vasco vai utilizar. "Não podemos facilitar para o adversário, se preenchermos bem os espaços, poderemos sair em velocidade para o ataque", comentou o centroavante Deivid.Por sinal, o atacante é outro que não se preocupa com os números: já fez 21 gols na competição e está muito próximo de superar o ex-centroavante Serginho Chulapa, hoje integrante da comissão técnica do time, maior artilheiro do clube em uma edição de Brasileiro (22 gols em 1983). "Se eu não quebrar essa marca e for campeão, está bom, mas se puder bater o recorde e ficar com o título, melhor ainda", opinou.Apesar do sol escaldante e da temperatura de 34 graus, cerca de 200 pessoas assistiram ao treinamento do time. "Foi o pior calor que enfrentamos, em todos os jogos que fizemos pelo interior", comentou Deivid. "Por isso foi bom chegarmos com antecedência à Rio Preto e estarmos mais adaptados ao clima."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.