Santistas querem mostrar valor

Ofuscados durante muito tempo pelo brilho de Robinho, os jogadores do Santos estão encarando como desafio a chance que estão tendo no time principal e querem mostrar seu valor. Essa é uma das armas que Gallo usou para motivar o elenco para o jogo desta quarta-feira na Vila Belmiro, contra o Fluminense, pela Copa Sul-Americana. Na primeira partida, os cariocas venceram por 2 a 1 e os santistas necessitam de uma vitória simples por 1 a 0. Na busca do espaço para os jogadores que permaneceram no grupo, Ricardinho assumiu a liderança de um movimento para que Robinho seja esquecido. Depois do jogo contra o Coritiba no domingo, ele se recusou a responder perguntas que envolviam o ex-jogador santista. Nesta terça-feira, Bóvio se insurgiu contra o interesse dos jornalistas pela contratação de reforços. "Temos um bom grupo e isso foi mostrado na partida de domingo e esse trabalho precisa ser valorizado", disse o volante, que deverá jogar improvisado na lateral-direita. "Estão falando muito em contratação, questionam o trabalho do Gallo, mas enfrentamos todas as dificuldades, estamos na liderança do Brasileiro e esse trabalho tem valor", desabafou o jogador. Mesmo assim, seu time contratou nesta terça o lateral-esquerdo Kleber e está acertando a vinda do atacante Luizão. Giovanni foi o único jogador a admitir que a prioridade do time é o campeonato nacional, mas destacou que o Santos vai lutar para conquistar a Copa Sul-Americana. "É uma competição também importante, que dá dinheiro ao clube e nós somos profissionais. Por isso, vamos jogar sempre para ganhar". Bóvio não separa as duas competições e não vê outro resultado que não uma vitória que classifique o time para a próxima fase da copa latina. O goleiro Saulo concorda com Bóvio. "Mesmo num amistoso, jogamos sempre com o mesmo empenho, sempre buscando a vitória". Ele não está preocupado com a possibilidade da decisão da vaga ser feita pela cobrança de pênaltis, o que ocorrerá se o Santos vencer o Fluminense por 2 a 1. O que o goleiro entende é que não há como mudar seu comportamento durante as cobranças. "Se eu pegar o pênalti e ele mandar voltar, paciência. Vou tentar defender de novo." Saulo acha impossível o goleiro não se adiantar durante a cobrança. "A gente não faz por intenção, mas é uma situação normal e, com minha impulsão e elasticidade, se ficar na linha vou bater a cabeça na trave." Embora Gallo não tenha confirmado o time que jogará, o atacante Geílson está com a vaga garantida no comando do ataque. Nesta terça ele concedeu entrevista, revelando que seu ídolo sempre foi Romário, pelo jeito de jogar e pela postura do atleta dentro de campo. Autor dos dois gols que deram a vitória aos santistas no domingo, contra o Coritiba, procurou afastar a condição de herói. "Não fui eu quem ganhou aquela partida, foi o grupo todo." Com humildade, admitiu que perdeu várias chances de gols e, consolado, comentou: "pequei no último jogo e, felizmente, isso não influiu no resultado". Por conta dessa deficiência, ele procura sempre treinar finalização. "Tenho de trabalhar muito ainda para ganhar meu espaço no time; tenho de me corrigir muito."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.