Santo André encara Lusa como final

"Estamos preparados para uma decisão. As duas equipes estão muito bem no campeonato e não podemos esquecer que é um confronto de seis pontos". A frase do técnico Sérgio Soares resume perfeitamente o espírito com que o Santo André entrará em campo nesta sexta-feira à noite para encarar a Portuguesa, no Canindé. Líder isolado da Série B do Campeonato Brasileiro, com 14 pontos - um à frente de Lusa e Santa Cruz -, a equipe do ABC nem pensa em perder a invencibilidade - e a ponta - na competição, mas não será por isso que o treinador mudará o esquema, que deu certo até agora: atacar."Quando estamos sem a bola, temos que marcar forte no nosso campo e sair rápido para o ataque. Não somos de esperar o adversário tomar a iniciativa da partida, não. Por isso, manterei o mesmo esquema ofensivo. Temos de nos aplicar na marcação e chegar ao ataque com o maior número de homens possíveis", complementa Sérgio Soares.Por isso, no treino desta quinta, o técnico cansou de gritar com seus atacantes e laterais. Sandro Gaúcho, Denni, Makanaki, Alexandre e André Luiz tem sinal verde para sufocar a Portuguesa quando o Santo André tem a bola no pé. Nem mesmo os desfalques de Rafinha (suspenso pelo terceiro cartão amarelo) e de Rodrigão (luxação no braço direito) tiram da cabeça de Sérgio Soares a idéia de atacar a Lusa. "São desfalques considerados. Os dois estão muito bem, mas temos um grupo homogêneo, com jogadores capazes de suprir estas ausências", ressalta o treinador.Em seis jogos, o Santo André fez 13 gols. É o terceiro melhor ataque, atrás exatamente do rival de hoje, que tem 14, e do Paulista, de Jundiaí, com 15. Ao mesmo tempo, tem a melhor defesa com apenas quatro gols sofridos. O segredo? "Atenção. A marcação começa desde lá da frente, com os atacantes e é isso que vem fazendo a diferença a nosso favor. As bolas quase nunca chegam à defesa. E quando isso acontece, os zagueiros têm a tranqüilidade para aliviar", explica o goleiro Júlio César.Um dos mais experientes do grupo, ao lado de Dedimar e Da Guia, o goleiro reconhece que este é o ano do Santo André conquistar uma das duas vagas para a Série A em 2006. "Sempre batemos nessa mesma tecla. Ano passado, conquistamos o número de pontos suficientes para a classificação à segunda fase e por um problema, acabamos punidos - o Santo André perdeu 12 pontos. Não sei se foi justo ou injusto, mas este é o ano para o Santo André se firmar no cenário nacional", avisa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.