Arquivo/AE
Arquivo/AE

Santos admite dificuldade em acerto com Vágner Love

Para ter o atacante, clube teria de ceder Paulo Henrique Lima ou Neymar por empréstimo de uma temporada

SANCHES FILHO, O Estado de S. Paulo

20 de agosto de 2009 | 21h15

O presidente Marcelo Teixeira reduziu quase a zero as possibilidades de o Santos ganhar a corrida pelo centroavante Vágner Love, do CSKA Moscou, da Rússia. É que pela liberação do ex-palmeirense por empréstimo de um ano, os russos exigem empréstimo pelo mesmo período de Paulo Henrique Lima ou Neymar.  

 

Veja também:

linkEmerson pede para viajar a Goiás com o grupo do Santos

linkCBF muda data de Corinthians x Santos para o dia 2

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Não gostaria de criar esse tipo de expectativa porque Vágner Love é uma contratação muito difícil. Realmente o jogador está nos nossos planos e até houve algumas conversas. Mas as negociações não avançaram diante do pedido do clube russo de envolvimento de alguns atletas dos quais o Santos não quer se desfazer", explicou.

Teixeira também disse que existe a possibilidade de o Santos não trazer nenhum reforço de peso, como ele mesmo tinha prometido. "Vágner Love manifestou o interesse de ficar um ano no Brasil para ter chance de ser convocado pela seleção brasileira para a Copa do Mundo. Mas, entre a vontade do jogador e o acerto entre clubes há uma diferença muito grande", argumentou. "Por isso, é até possível que a janela para transferências internacional se feche sem que o Santos consiga trazer um grande jogador", acrescentou.

O presidente santista fez questão de esclarecer que o Santos ainda tem uma pequena esperança de contar com Vágner Love no restante do Campeonato Brasileiro, no Paulistão do próximo ano e na Copa Libertadores, caso o clube consiga uma das vagas. "Desistir, a gente nunca desiste. Mas as possibilidades de sucesso nas negociações são muito remotas", reconheceu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.