Santos arma retranca para vencer o San Jose

Técnico Emerson Leão arma a equipe para explorar os contra-ataques; altitude é o grande problema

Sanches Filho, Especial para O Estado de S. Paulo

18 de março de 2008 | 18h58

O Santos vai se defender com duas linhas de quatro e apostar na boa fase do goleador Kleber Pereira para derrotar o San José, nos 3.706 metros de altitude de Oruro, Bolívia, nesta quarta-feira, às 21h50 (horário de Brasília), com acompanhamento online do estadao.com.br, e retomar a liderança do Grupo 6 da Copa Libertadores da América. Nas duas primeiras rodadas, os santistas empataram por 0 a 0 com o Cúcuta, na Colômbia, e derrotaram o Chivas Guadalajara, por 1 a 0, na Vila Belmiro. A equipe boliviana, com dois pontos, é a pior do grupo.Veja também: Classificação Calendário / ResultadosAdriano e Kleber terão funções mais defensivas, Marcinho Guerreiro e Rodrigo Souto ficarão fixos à frente da defesa e os meias Molina e Wesley vão trabalhar mais atrás. Apenas Kleber Pereira e Sebastián Pinto atuarão adiantados, segurando a zaga adversária e tentando o gol em bolas esticadas pela defesa. Leão quer o time compactado e jogando com inteligência, evitando entrar na correria que com certeza o adversário vai procurar impor para provocar o desgaste dos santistas. Apesar de demonstrar mais preocupação com a altitude do que o adversário, o treinador quer a sua equipe respeitando o San José."É a primeira vez que o time boliviano vai jogar em casa nesta Libertadores e o clima será de festa pelo 66.º aniversário do clube. Sem contar que o jogo será de vida ou morte para eles", disse Leão, que após o treino de ontem cedo, em Santa Cruz de la Sierra, repassou algumas informações sobre o adversário.Como o Santos disputará nove jogos no mês e não teve como chegar uma semana antes do jogo de desta quarta a Oruro para passar por um período de adaptação à altitude, Leão optou por chegar à cidade a poucas horas do início da partida. A delegação viaja em vôo fretado à La Paz às 16 horas e depois segue de ônibus para Oruro, um percurso de mais de 200 quilômetros, a ser feito em aproximadamente três horas. E depois do jogo inicia a viagem de volta a Santos.  santosFábio Costa; Adriano, Domingos, Betão e Kleber; Marcinho Guerreiro, Rodrigo Souto, Wesley e Molina; Sebastián Pinto e Kleber PereiraTécnico: Emerson Leão San joseDaniel Vaca; Palacios, Parada, Alvarenga e De Castro; Ribeira, Coelho Leite, Garcia e Penã; Da Rosa e CeruttiTécnico: Marcos FerrufinoÁrbitro: Samuel Haro (Equador)Estádio: Estádio Jesús Bermúdez, em Oruro, na BolíviaHorário: 21h50 (de Brasília)TV: SporTVA vitória de domingo passado contra o São Caetano em Santo André deu novo ânimo aos jogadores. Vencer fora da Vila Belmiro era o último desafio a ser superado pelo time que demorou a sair das últimas colocações no Campeonato Paulista e que agora depende de um milagre para entrar nas semifinais. "Não queremos que se repita na Libertadores o que sofremos no Campeonato Paulista. Tivemos que correr muito para nos recuperar. Isso porque deixamos escapar duas ou três oportunidades de vencer", afirmou Betão.Apesar do desgaste provocado pela viagem e da altitude, ele acredita num bom resultado. "Pelo pouco que vi do San José no empate (0 a 0) com o Cúcuta, esse não será o jogo mais difícil da chave, mesmo sendo na altitude. Creio que dá para ganhar", acrescentou. Sem Denis, que se recupera de uma lesão muscular e nem viajou para a Bolívia, Leão será obrigado a improvisar novamente na lateral-direita. Como Adoniran, que vinha atuando na posição, não está inscrito na Libertadores, Adriano, mesmo sem estar bem fisicamente (não treina há 10 dias), volta ao time, com a determinação de fechar o seu setor, sem se preocupar em apoiar o ataque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.