Santos atrás de Tite e Celso Roth

A segunda-feira foi um dia de busca do novo treinador no Santos. No final da tarde, os nomes mais cogitados eram os de Celso Roth e de Tite, mas até o começo da noite nenhum deles havia acertado o seu contrato. Como numa bolsa de valores, os trabalhos foram abertos com Muricy Ramalho na cotação máxima. Vários telefonemas foram trocados, houve acordo quanto aos valores, mas a negociação parou quando o treinador pediu que os dirigentes santistas conversassem com o presidente do Internacional para liberá-lo.Esse pedido não foi aceito e o segundo nome mais cotado era o de Levir Culpi, que está no Cruzeiro. Os entendimentos não evoluíram e os dirigentes passaram a conversar com treinadores desempregados. Celso Roth, que já dirigiu o time, era um nome forte, principalmente porque foi ele quem lançou Diego, William e outros jogadores no time e quem deu a verdadeira oportunidade para Robinho aparecer. Esse foi o início do movimento que levou o Santos a conquistar o título Brasileiro, com Emerson Leão acertando a sintonia dos meninos da Vila.Seu nome era o mais forte no final da tarde, mas Tite, que começou o dia em cotação baixa, foi valorizado à tarde e pode ser contratado. O entendimento é o de que o time precisa de um treinador para não deixar escapar a oportunidade de conquistar a Copa Libertadores, mas ninguém garante longa vida no clube para quem for contratado agora. É que os dois nomes dos sonhos dos santistas são os de Vanderlei Luxemburgo e Emerson Leão e a ordem é esperar uma oportunidade para ter um dos dois de volta.Serginho Chulapa assumiu nesta segunda-feira interinamente o cargo de técnico do Santos e vai dirigir o time na quarta-feira, contra o Santo André, prometendo trabalhar para que o Santos "volte a ser um time brigador". Nada parecido com a equipe formada por Oswaldo de Oliveira, treinador que foi demitido na madrugada desta segunda-feira, depois do empate de domingo contra o América, que provocou a fúria dos torcedores.O demitido - Oswaldo de Oliveira foi demitido durante a madrugada e à tarde, apareceu no CT Rei Pelé para se despedir dos jogadores. Ele fez um pronunciamento para explicar sua saída e disse: "estou aqui me despedindo do Santos. Recebi a comunicação da rescisão do contrato e deixo o Santos pelas circunstâncias que todos já sabem".Na análise que fez do seu trabalho (16 jogos, 9 vitórias, 4 empates e 3 derrotas), Oswaldo de Oliveira comentou que ele "não pode ser desenvolvido como queria pelas circunstâncias conhecidas por todos", como a falta de pré-temporada e o grande número de jogadores contundidos. "Acabei não satisfazendo alguns setores do futebol, da imprensa, não sei de onde, e não consegui dar continuidade". Agradeceu o tratamento e se despediu: "espero que o Santos seja muito bem sucedido daqui para a frente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.