Amanda Perobelli / Reuters
Amanda Perobelli / Reuters

Santos atropela o Grêmio na Vila e se garante na semifinal da Libertadores

Após empate por 1 a 1 na ida, em Porto Alegre, equipe do técnico Cuca faz 4 a 1 e avança

Glauco de Pierri, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2020 | 21h15

A incerteza do torcedor do Santos em relação ao comportamento de sua equipe na partida de volta das quartas de final da Libertadores contra o Grêmio, se transformou em confiança em pouquíssimos segundos de jogo – 11, para ser mais preciso. Após Kaio Jorge abrir o placar no primeiro lance do jogo na Vila Belmiro, a certeza de que o time está pronto para brigar pelo título bateu em todos os santistas. O time do técnico Cuca mostrou disposição e atitude e venceu o adversário por 4 a 1 com facilidade, garantindo um lugar nas semifinais da competição sul-americana mais uma vez.

O Santos, que não chegava entre os quatro melhores da Libertadores havia oito anos, espera agora o vencedor do confronto entre Boca Juniors e Racing. O time entrou em campo eletrificado. Após o apito inicial, o time subiu suas linhas de marcação e fez o meia do Grêmio Jean Pyerre, que voltava de contusão e era uma das armas de Renato Gaúcho para melhorar o rendimento ofensivo de seu time, virar para a sua própria defesa. 

Pressionado, ele tomou uma decisão ruim e recuou a bola curta para o goleiro Vanderlei, mas longa para o zagueiro David Braz. O atacante Kaio Jorge partiu em velocidade, passou pelos dois adversários e só tocou para abriu o placar, mudando a história do confronto. O gol foi 5.º mais rápido em toda a história da competição. 

Se o Santos entrou em campo disposto a definir rapidamente a sua classificação, o Grêmio, tão celebrado como clube copeiro, se comportou diferente desta vez. Sem vibrar, acuado, amedrontado. O clube gaúcho pagou um preço alto pela forma como se portou em campo. 

Cuca tem seus devaneios, mas em certos jogos das temporadas nos clubes em que trabalha, ele mostra uma rara combinação de acerto tático e motivação perfeita. É um técnico que joga junto de seus atletas. Foi assim no Atlético-MG, campeão da Libertadores em 2013 e no Palmeiras, campeão brasileiro em 2016. Nesta quarta-feira, com um minuto, ele berrava no banco de reservas: “Não é para diminuir o ritmo. Não para”. 

O Santos não parou. Aos dois minutos, Marinho recebeu pela direita e esticou a bola, entrando na área e batendo firme para ótima defesa de Vanderlei. 

O Grêmio não tinha alternativa, a não ser tentar arriscar algo. E quase empatou com o próprio Jean Pyerre, que perdeu ótima chance aos cinco minutos, escorando cruzamento – a bola resvalou no travessão. 

O respiro gaúcho durou pouco. Aos 16 minutos, em um contra-ataque, Sandry puxou o contra-ataque pelo meio, tocou para Lucas Braga, que arrancou pela esquerda, passou como quis por Orejuela (que se sentiu uma contusão muscular no lance) e cruzou na medida para Marinho fuzilar e marcar o segundo gol do Santos. 

Até o final do primeiro tempo, o Grêmio não perdeu mais nenhuma chance. Mas o Santos não mudou – o time perdeu pelo menos mais duas excelentes oportunidades para aumentar o resultado.

O jogou foi para o intervalo e Renato Gaúcho mandou o chileno Pinares a campo. Mas o cenário não mudou muito e o Santos chegou ao terceiro gol. Após cobrança de escanteio de Marinho, Kaio Jorge errou o chute, a bola bateu no travessão, pegou efeito e morreu no fundo do gol. 

Renato Gaúcho mudou o time. David Braz exigiu excelente defesa de John Victor em cobrança de falta. Diego Souza perdeu chance clara após cobrança de escanteio. Pouco tempo depois, as alterações deram resultado – Ferreirinha cruzou na medida para Thaciano diminuir aos 35.

Mas a resposta do Santos foi rápida. Aos 38, Laércio recebeu cruzamento e cabeceou para marcar o quarto gol da equipe. 

O Santos parte para as semifinais. No começo de janeiro, o time vai encarar um gigante argentino para tentar chegar na decisão mais uma vez. A equipe segue como muita força na luta pelo tetracampeonato da Copa Libertadores. 

FICHA TÉCNICA:

SANTOS 4 X 1 GRÊMIO

Santos: John Victor; Madson, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Wagner Leonardo); Alison, Sandry e Jobson (Guilherme Nunes); Marinho (Jean Mota), Kaio Jorge (Marcos Leonardo) e Lucas Braga. Técnico: Cuca.

Grêmio: Vanderlei; Orejuela (Victor Ferraz), Pedro Geromel, David Braz (Churín) e Diogo Barbosa; Darlan, Matheus Henrique e Jean Pyerre (Thaciano); Luiz Fernando (Ferreira); Diego Souza e Pepê. Técnico: Renato Gaúcho. 

Gols: Kaio Jorge, a 13 segundos, Marinho, aos 16 minutos do 1º Tempo. Kaio Jorge, aos oito, Thaciano, aos 35 e Laércio, aos 38 minutos do 2º Tempo. 

Juiz: Wilmar Roldán (COL). 

Cartões amarelos: John Victor, Pinares, Pepê, Guilherme Nunes, Diego Souza, Bruninho e Kannemann.

Local: Vila Belmiro, em Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.