Santos busca a paz em Sorocaba

O Santos está em Sorocaba, longe de sua torcida. E Geninho quer aproveitar bem a semana, em que todo o grupo estará concentrado em apenas uma coisa: o clássico de domingo contra o Palmeiras. "A partir de agora, cada jogo é uma decisão e nem podemos pensar no depois", avisou o treinador, querendo afastar de sua mente as contas que ele mesmo fez sobre as chances de classificação de sua equipe. "Torço bastante para ter errado os cálculos, mas isso já não tem importância por que a meta é pensar numa partida de cada vez."Mesmo querendo manter a matemática distante, Geninho sabe que seu time não pode mais perder se quiser se classificar para a próxima fase do Paulista. Ao mesmo tempo, o treinador procura a razão para a equipe ter despencado da liderança do torneio para a 9ª posição. "Vai ser importante esse trabalho que será desenvolvido em Sorocaba, pois os jogadores estarão todo o tempo junto e com apenas um pensamento: o clássico contra o Palmeiras". Ele nega, no entanto, que a viagem tenha como objetivo afastar o grupo de jogadores da torcida, que realizou vários protestos esta semana."Vai ser uma boa oportunidade para trabalhar psicologicamente o grupo, para quebrar o jejum de vitórias", disse Geninho, que pretende mudar a equipe, apesar de não ter confirmado as alterações. "Vou ter tempo para decidir a melhor escalação". O Santos não poderá contar com o meia Robert e o volante Claudiomiro, contundidos, mas terá o retorno de Léo e Renato, que cumpriram suspensão automática.O centroavante Rodrigão, que pode perder a posição de titular para Dodô no clássico, entende que "a viagem para Sorocaba será boa neste momento difícil do time". Ele acha que a convivência aproxima os jogadores. "Vamos ter quatro dias para trabalhar juntos e isso é muito bom para ajudar a gente a reverter a situação". O atleta acredita que o time não está mal, "mas não tem levado sorte e alguns detalhes durante as partidas estão impedindo que se chegue à vitória."Outro jogador que deixou Santos animado foi Deivid, garantido por Geninho no ataque. "Estou atravessando a melhor fase de minha carreira e devo isso ao professor Geninho, que está dando muita força para mim". Ele confessa que, tempos atrás, chegou a pedir para a diretoria emprestá-lo a outro clube, pois havia ficado parado durante seis meses. ?Agora, estou satisfeito na Vila Belmiro e só tenho um pensamento: vencer o Palmeiras para acabar com essa série de derrotas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.