Santos começa a pensar no futuro

Com os jogadores em férias, a diretoria do Santos iniciou nsta segunda-feira o processo de renovação do time para o ano que vem. Mais uma vez, todas as conversas e negociações estão sendo mantidas em sigilo. O presidente Marcelo Teixeira informa que manterá a base, mas muita coisa irá mudar na Vila Belmiro.A prioridade é definir a situação de Cabralzinho, cujo contrato vencerá dia 31, e Teixeira não garantiu em nenhuma oportunidade a permanência do treinador. É provável que negociações estejam sendo mantidas com outros técnicos, como Oswaldo de Oliveira, fazendo com que o futuro de Cabralzinho dependa do insucesso dessas negociações.Jogadores serão dispensados e os primeiros nomes cogitados são os de Vágner, Válber, Galván e Russo. As duas maiores estrelas do clube - Viola e Marcelinho Carioca - dificilmente permanecerão na Vila Belmiro. O centroavante despertou a ira dos torcedores nessa passagem pelo Santos e poderá ser dispensado. Já com Marcelinho Carioca a situação é mais complicada. Ele se envolveu em conflito com o fisioterapeuta Luiz Alberto Rosan por causa de uma contusão suspeita, que o afastou dos campos nas três últimas partidas disputadas pelo time. É o maior salário do clube e dificilmente os santistas irão bancar investimento tão alto na disputa do Campeonato Paulista.Os dirigentes pretendem aproveitar ao máximo os jogadores da casa, mesclando o time com outros mais experientes, mas não tão caros.Geninho e Cabralzinho sentiram a falta de um jogador com liderança para atuar junto com as revelações e essa foi uma das razões para o surgimento dos comentários de que Rincón estaria voltando à Vila Belmiro. Isso, entretanto, dificilmente irá ocorrer, já que ele ainda é credor do Santos, de salários não pagos e até mesmo de um empréstimo que ele fez para o clube.Comenta-se também o interesse do Santos por Vampeta, que poderia ser negociado com Robert. Esse caso poderá ser polêmico, pois o meia santista espera o final de seu contrato, em fevereiro, para ficar com seu passe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.