Santos controla os nervos para decisão

Controlando os nervos, o Santos entra em campo nesta quarta-feira para o mais importante jogo do ano sem o seu principal jogador: Robinho, que está defendendo a seleção brasileira na Copa das Confederações, na Alemanha. Além de Robinho, Léo, Leonardo e Fabinho não estarão à disposição do técnico Gallo - o lateral também está com a seleção principal, o zagueiro com a Sub-20 e o volante está contundindo. Dessa forma, as atenções inevitavelmente estarão voltadas para Giovanni, que depois de nove anos retornou ao Brasil e fará sua estréia com a camisa santista na competição continental. Giovanni, no entanto, não quer ser colocado como a principal esperança da equipe na difícil partida - como o Santos perdeu de 3 a 2 no primeiro jogo, terá de vencer por pelo menos dois gols de diferença para ir às semifinais. "Agora eu vou dividir essa responsabilidade com o grupo. Quando o time ganha, ganha todo mundo." Ricardinho e Paulo César, que não jogaram contra o Fluminense, voltam ao time. Embora tenha participado de importantes campeonatos europeus, como o Espanhol e a Liga dos Campeões, Giovanni acredita que a Libertadores é uma competição diferente e nada fácil. "Os campos são mais secos, a bola corre menos e a marcação é sempre homem a homem. Jogar contra sul-americanos é sempre mais difícil." O técnico Alexandre Gallo garante que os episódios de descontrole emocional, como os vistos na partida contra o Fluminense, no domingo, quando Deivid foi expulso ainda no primeiro tempo por reclamação, não irão mais acontecer. "Condenei aqueles atos de nervosismo explícito, porque nós tínhamos um jogo tranqüilo nas mãos", disse. "Agora eles estão conscientes de que erraram e a idéia é sempre manter os 11 jogadores em campo." Embora tenha garantido ter o seu time definido, Gallo só irá divulgar a escalação antes da partida ?para não entregar o ouro para o adversário?, que, segundo o técnico, tem entre seus méritos a forte marcação por setor. A dúvida está na formação de meio-de-campo - se Giovanni entrará ou não no setor. Caso ele não fique no ataque, deverá dar lugar a Basílio ou Fabiano. Gallo, no entanto, não descarta a possibilidade de escalar o atleta como um meia-atacante. Mesmo jogando em uma Vila Belmiro cheia - a venda de ingressos foi boa hoje e a assessoria de imprensa do clube garantiu que todos as entradas devem estar vendidas até a manhã desta quarta-feira -, Gallo não vê o Santos como favorito. "Favorito é aquele que tem algo a favor e hoje, quem tem isso é o Atlético. Mas jogar em casa nos credencia bastante."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.