Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Santos tem maratona de jogos e Bustos cobra fim dos erros contra Corinthians

Empate do time alvinegro diante do Red Bull Bragantino em casa pelo Brasileirão aumentou pressão da torcida para o clássico

Redação, Estadão Conteúdo

19 de junho de 2022 | 11h48

Assim que o jogo com o Red Bull Bragantino terminou, com 2 a 2 na Vila Belmiro, a torcida do Santos começou a protestar. Vaiou o time e o cobrou resposta contra o Corinthians, quarta-feira, em Itaquera, pela Copa do Brasil. Ciente que o time falhou demais novamente, o técnico Fábian Bustos pede para seus jogadores aprenderem a matar os jogos e evitar os erros no clássico. "É quarta-feira, é quarta feira" e "se quarta-feira não ganhar, olê, olê, olá, o pau vai quebrar", pressionaram os santistas na Vila Belmiro irritados com mais um tropeço como mandante - o quinto seguido no Brasileirão.

A equipe sai duas vezes para jogar na Neo Química Arena, quarta e no sábado, pelo Brasileirão, e depois viaja para a Venezuela para enfrentar o Deportivo Táchira, na Copa Sul-Americana. No retorno, tem o duro Santos pela frente. Bustos admite que a sequência é pesada, mas troca reclamações por um apelo contra o fim dos erros bobos que vêm custando pontos preciosos.

"Não vou me queixar do calendário. Eu quis vir para o Brasil trabalhar e sabia da intensidade. O melhor que eu posso fazer é competir em todos, se não passarmos na Copa do Brasil, haverá crítica a nós, jogadores, todos. O melhor a fazer é ganhar, ganhar, ganhar, conseguir passar de fase, pois todo treinador sofre exatamente o mesmo", afirma Bustos, endossando que as falhas contra o Red Bull Bragantino não podem ser repetidas.

"Futebol é muito emocional. No primeiro tempo, jogamos muito bem. Teríamos que ter terminado 2 a 0. Futebol é um jogo em conjunto, algo que é mais difícil de controlar e sabemos que erramos", diz. "Se matamos o jogo, fazemos o terceiro gol, terminou. Não fazendo, eles estão sempre perto (do empate). E aconteceu. Tem o erro também, eu sei qual foi, mas não vou expor o jogador."

O treinador, contudo, admite que o Santos cresceu muito sob sua direção e espera que a evolução seja presenciada nos clássicos pela volta da paz. "Vocês lembram como estava o Santos quando chegamos. Não podíamos competir com equipes piores, e hoje competimos com equipes melhores. Mas não estou contente quando não ganho. Competir, estamos competindo", ressalta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.