Santos critica Dorival e anuncia rescisão sem multa

Horas depois de anunciar a demissão de Dorival Júnior, que perdeu a queda de braço que travou com o atacante Neymar ao deixá-lo fora da lista de jogadores relacionados para o clássico contra o Corinthians, o Santos justificou, na manhã desta quarta-feira, as razões para ter tomado a decisão de dispensar o técnico. Em um comunicado publicado no site oficial do time santista, o presidente do clube, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, acusou o comandante de agir de forma autoritária no episódio e anunciou que a rescisão do contrato do treinador foi feito sem o pagamento de multa de nenhuma das partes.

AE, Agência Estado

22 de setembro de 2010 | 11h04

"Houve uma crise de autoridade excessiva por parte da comissão técnica e quebra de confiança. Não foi feito o que estava acordado com a diretoria, numa demonstração de absoluta falta de flexibilidade", acusou o dirigente, ao dar a sua versão sobre o conflito iniciado na quarta-feira passada, na Vila Belmiro, onde Neymar xingou Dorival Júnior e o capitão da equipe, Edu Dracena, depois de o técnico proibir o atacante de bater um pênalti durante a partida contra o Atlético-GO.

Em seu comunicado, o presidente do Santos acusa Dorival de não ter cumprido o que foi acordado anteriormente, que seria a participação de Neymar no clássico contra o Corinthians, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, depois de o atleta inicialmente ter sido afastado por tempo indeterminado e desfalcado a equipe na partida do último domingo, contra o Guarani, em Campinas. Segundo o dirigente, "na tarde da última segunda-feira, uma conversa entre a presidência e Dorival Júnior colocou um fim no triste episódio, com o compromisso de ambos de que o assunto era página virada".

Em seguida, Luis Alvaro diz ter sido pego de surpresa com a medida tomada pelo treinador de descartar Neymar do confronto diante dos corintianos. "Novamente, de forma surpreendente e intempestiva, na tarde de ontem (terça-feira), Dorival Júnior tomou uma decisão sem o conhecimento prévio da diretoria e da presidência, numa decisão oposta à que havia sido acordada", acusou.

Furioso com a atitude que considerou uma insubordinação de Dorival Júnior, o presidente disse que o treinador "quebrou a hierarquia do clube", tornando a sua permanência no Santos "insustentável".

No fim do seu comunicado, Luis Alvaro admite que Neymar passou dos limites em sua postura diante do treinador, mas acusou Dorival de se colocar em um plano superior ao do clube. "Reiteramos que não toleramos atos de indisciplina dos nossos atletas, mas também não podemos concordar que ninguém se julgue maior do que o Santos Futebol Clube". "Em concordância mútua, as partes abriram mão do pagamento de multa pela rescisão", finalizou o comunicado em seguida.

Dorival Júnior ainda não se pronunciou publicamente para comentar a sua versão sobre o episódio que culminou em sua demissão. Campeão do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil neste ano, o treinador acabou deixando o clube pela porta dos fundos, brigado com o atual maior ídolo da torcida e sob acusações do seu presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.