Santos derrota Ji-Paraná por 4 a 2

Aconteceu o esperado: o Santos derrotou nesta quarta-feira à noite o Ji-Paraná, time de Rondônia, por 4 a 2, na Vila Belmiro. Com este resultado, os santistas garantiram vaga para a próxima fase da Copa do Brasil e nesta quinta-feira começam a se preparar para a partida de domingo, contra o São Caetano, desta vez pelo Rio-São Paulo. Oséas mais uma vez não marcou nesta partida e deixou o campo com o ombro contundido. "É preciso ter tranqüilidade", disse o centroavante, que viu William ser festejado pela torcida pelos dois gols marcados. O resultado foi o previsto até pelo técnico do Ji-Paraná. "Não adianta; o Santos é um grande time, nossos jogadores tiveram muita garra e saímos de cabeça erguida." O esquema armado por Celso Roth foi o mais ofensivo possível e o Santos dominou todo o primeiro tempo, jogando praticamente no campo do Ji-Paraná. A busca do gol foi intensa, mas o primeiro só foi marcado aos 20 minutos, quando Robert deu um passe na medida para William, que chutou rasteiro no canto esquerdo, sem chances para o goleiro Júlio César. Logo depois, aos 24 minutos, Oséas sofreu um pênalti duvidoso e Robert desperdiçou, chutando a bola por cima do travessão. Aos 35 minutos, Dudu fez a jogada mais perigosa do Ji-Paraná, numa cabeçada defendida por Fábio Costa. Aos 44, o Santos liquidou o adversário: Preto cruzou e Odvan apareceu de surpresa na área, cabeceando com sucesso. O técnico Celso Roth não alterou seu time no intervalo, mas recomendou maior tranqüilidade na hora de concluir as jogadas. Nos dois primeiros minutos, os santistas perderam duas boas oportunidades e demonstraram que a goleada era o objetivo. Mesmo mantendo o domínio completo da partida, o gol não saía. Aos 15 minutos, o treinador, sob protesto da torcida, tirou Robert para a entrada de Diego. Os protestos duraram pouco. Logo aos 17 minutos, Michel cruzou para William desviar a bola para o gol do Ji-Paraná, marcando o terceiro gol. Da Costa também mexeu em seu time, na desesperada busca do empate, e deu sorte. Aos 23, Praguinha marcou o gol do time de Rondônia, depois de Odvan ter desviado um cruzamento. Também essa esperança dos visitantes durou pouco, exatos três minutos. Aos 26, Oséas acerta a bola no travessão, a bola sobrou para Esquerdinha, que, de calcanhar, passou para Diego marcar o quarto gol santista e o primeiro no time profissional. Mesmo com o desnível técnico entre as equipes, o Ji-Paraná não desistiu e o esforço foi recompensado: Gelson ganhou da zaga santista e marcou um bonito gol aos 46 minutos, sendo aplaudido pelos torcedores santistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.