Santos: derrota pode anunciar férias

O Santos conseguiu apenas metades dos pontos que disputou no Rio-São Paulo e agora terá de conseguir um índice de 100% nas cinco partidas que faltam, quatro delas contra adversários diretos. E a primeira será nesta quarta-feira, contra o Etti Jundiaí, que tem um ponto a mais que o time alvinegro. Celso Roth vai definir a equipe na tarde desta terça-feira, durante coletivo programado para a Vila Belmiro. Mesmo que não quisesse, terá de fazer uma alteração na zaga: Odvan levou o quinto cartão amarelo e vai cumprir suspensão. André Luís, que perdeu o pênalti no final do jogo contra o Fluminense, deverá ser mantido e a novidade é a volta de Preto ao lado de Cléber. Nesta segunda-feira, o meia Diego voltou a treinar no time principal e Celso Roth disse que são grandes as chances do jogador se firmar na posição. Para não desanimar os atletas com a missão de ganhar as cinco partidas, Celso Roth já passou a orientação: pensar num jogo de cada vez. "Ainda depende só de nós conseguir a classificação", disse o otimista Marcelo Silva, pensando em encerrar essa fase com 30 pontos. Temos de pensar apenas no jogo contra o Etti Jundiaí, não podemos perder e vamos partir para a vitória", disse o volante. Marcelo Silva entende que é preciso caprichar mais na finalização. "Temos criado as chances e precisamos acertar a finalização da jogada", disse. Para o lateral-esquerdo Léo não tem outra saída: "É vida ou morte, não podemos nem pensar no empate". Daqui para a frente não podemos perder mais gols; temos que marcar de qualquer jeito, com a mão, de bola parada ou ralando". Consagração - Além dos cálculos matemáticos para a classificação, outro assunto que dominou o CT Rei Pelé nesta segunda-feira foi o pênalti desperdiçado pelo zagueiro André Luís no final do jogo contra o Fluminense e que poderia ter dado a vitória aos santistas. "Fui com convicção, mas peguei embaixo da bola, que subiu e foi para fora", disse ele. Quando o juiz marcou pênalti, ele não pensou duas vezes. "Queria fazer o segundo gol da partida para devolver os dois que marquei contra o Santos no ano passado". Oséas e Robert, os batedores oficiais, estavam fora da partida. André Luís disse que teve autorização de Roth para a cobrança: "ele sabia que era um lance para minha consagração". Com o chute para fora, ele não saiu consagrado do Maracanã, mas acha que isso é coisa do passado. "Vamos pensar no Etti, pois precisamos vencer de qualquer maneira". Um jogador tem que ter personalidade e, se o técnico mandar, bato novamente", completou.

Agencia Estado,

18 Março 2002 | 19h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.