Santos desfalcado contra o Coritiba

Mesmo depois de ter acertado sua transferência para o Real Madrid, o atacante Robinho cumpriu sua última missão na Vila Belmiro: recolocou o time no topo da classificação, ao lado do Corinthians, tendo vencido quatro jogos e empatados três. Em sua ausência, a equipe esteve irregular e o temor da torcida é que esse comportamento se repita a partir deste domingo, quando o Santos enfrenta o Coritiba na Vila Belmiro. Gallo avalia que a perda será grande e que seria importante Robinho ter continuado no Santos. "Mas o futebol é esporte coletivo", lembrou o treinador, "e o Robinho não fez sozinho esses sete bons resultados, ele teve uma boa participação como os outros também tiveram". De qualquer forma, ele trabalha com uma certeza: "temos de ter consciência de que esse ciclo acabou e que a vida segue." Para complicar a vida do treinador, seu time jogará desfalcado de outros cinco atletas: Giovanni, Bóvio, Zé Elias (suspensos), Ávalos e Diego (contundidos). Sem contar com os outros que estão há mais tempo no departamento médico, como Paulo César, Henao, Fantini e outros. "Especificamente nesse jogo, nós estamos com muitos problemas, mas é o que conversei com os jogadores: um grupo se faz forte quando necessita de um jogador que está fora". Ele acredita que os jogadores escalados estão em condições de cumprir seu papel. "Não tem como disputar um campeonato de 42 rodadas sem passar por grandes problemas." Opções - Se Gallo perde seis jogadores para o jogo deste domingo contra o Coritiba, poderá contar com a volta do volante Fabinho e do atacante Basílio, que foram liberados segunda-feira pelo médico Carlos Braga, depois de terem sido submetidos a exames que constaram a cura das lesões que haviam afastado os dois jogadores da equipe. Fabinho tem volta garantida, formando a dupla de volantes com Elton e suprindo a ausência de outros dois volantes que cumprem suspensão automática: Zé Elias e Bóvio. Flávio volta à lateral-direita, enquanto Rogério completará a dupla de zaga ao lado de Luís Alberto. O companheiro de Ricardinho na armação de jogadas de ataque será Léo Lima e, no ataque, há uma dúvida: Gallo irá escolher os dois atacantes entre Douglas, Geílson e Basílio. A ordem de Gallo é vencer o Coritiba para tentar assumir a liderança, no momento em que está empatado em pontos com o Corinthians. "O Santos sempre esteve entre os cinco primeiros e o quinto colocado hoje está muito próximo da gente, não tem muita diferença. O importante é se manter no topo, conscientes de que não conquistamos nada ainda", completou o treinador. Coritiba - A maior motivação do Coritiba para o jogo contra o Santos, veio com a vitória de quinta-feira, por 2 a 0, sobre o Fortaleza em Curitiba. O time vinha sentindo dificuldades quando jogava em casa e a decepção refletia-se nos jogos posteriores. "A gente estava precisando ganhar uma partida em casa. Foi truncado mas prevaleceu a determinação e a força de vontade", disse o zagueiro Allan. "Isso mexe com o brio dos jogadores." Segundo ele, com a conquista do objetivo de chegar no grupo de classificados para a Copa Sul-Americana, agora é preciso dar uma "arrancada" para chegar à zona de classificação para a Copa Libertadores. "E pensar no título", ressaltou. O técnico Cuca deverá manter a mesma estrutura, apesar dos desfalques do volante Reginaldo Nascimento, que fica duas semanas recuperando-se de contusão no joelho, e do atacante Caio que cumpre suspensão. Rodrigo Mancha deve assumir a posição de Nascimento, enquanto Alcimar pode entrar no ataque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.