Santos diz estar preparado para a altitude

O Santos enfrenta o Cienciano, nesta quarta-feira, às 21h40, em Cuzco, Peru, com uma certeza: não pode desperdiçar tantas chances de gol como aconteceu na partida disputada na Vila Belmiro, que terminou empatada por 1 a 1. Esse problema, entretanto, pertence ao passado, segundo os jogadores, na medida em que nas duas últimas partidas o time marcou onze gols. Para ficar com a vaga para a semifinal da Copa Sul-Americana os santistas precisam de uma vitória simples, sendo que um novo empate leva a decisão para os pênaltis. "Vamos tentar marcar logo nosso gol para facilitar as coisas", disse o meia Diego, que já atuou em altitudes como a de Cuzco - 3.400 metros - e sabe das dificuldades de atuar nessa condição. "Eles vão tentar impor a correria em cima de nós, mas precisamos ser inteligentes para não entrar no jogo deles.?? Com a altitude, a bola fica mais leve, situação que, na opinião de Diego, não pode ser desprezada. ?Temos de aproveitar bastante os chutes de longa distância e as cobranças de falta.? Robinho, que marcou o gol que salvou o Santos de uma derrota para o Cienciano na Vila Belmiro, acha que a situação atual é outra. ?O grupo todo está confiante, subindo de produção e estamos conseguindo as vitórias.? Entende que o Cienciano, jogando em casa e com a altitude a seu favor, será um adversário difícil. ?Mas temos condições de vencer.? O segredo para vencer o Cienciano em sua casa, na opinião de Robinho, é permanecer com a bola. ?A altitude dificulta bastante e temos que ficar com a bola desde o começo, suportar a pressão normal de um time que joga em casa e atacar, pressionar e, principalmente, aproveitar as oportunidades de gol.? Animado com a boa fase, depois de ter marcado quatro gols nas duas últimas partidas, comentou: ?tenho feito dois, agora espero marcar três?. Time - Alex não jogou sábado contra o Coritiba porque estava suspenso e tem volta garantida contra o Cienciano. Ele foi o autor do gol contra que quase deu a vitória aos peruanos na partida disputada na Vila Belmiro e se lembra ainda hoje daquele lance. ?Estava tranqüilo, ia deixar a bola passar mas ouvi o grito de tira e tentei tirar.? Cabeceou mal e a bola entrou no gol de Fábio Costa. ?Mas assumo meu erro e não tenho que ficar colocando a culpa em alguém; marquei contra, fiquei muito chateado, mas sei que isso é uma coisa que, infelizmente, acontece no futebol.? Sem poder contar com um centroavante de confiança, mais uma vez o técnico Emerson Leão vai escalar Fabiano no comando do ataque, arma que deu certo nas duas últimas partidas. O jogador tem tido um desempenho tático importante, ao abrir espaços para a chegada de outros atacantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.