Santos e Palmeiras empatam em 1 a 1 na Vila Belmiro

Resultado acabou não sendo tão ruim para ambas equipes que brigam ponta a ponto por vaga na Libertadores

13 de outubro de 2007 | 20h21

O primeiro tempo foi bem movimento, com ambas equipes partindo para cima, mas com dois meias (Valdívia e Caio) contra um (Petkovic) o Palmeiras levava um pouco mais de vantagem em sua jogadas, pois o passe chegava com mais qualidade para seu ataque. Kleber Pereira, até chegou a ter duas boas chances pelo Santos, mas o artilheiro não passa por boa fase.  Veja também: Classificação Calendário / resultados Santos lamenta empate em casa e fim da série de vitórias  Porém, mesmo com as muitas jogadas que poderiam resultarem em gols em quantidades consideráveis para os dois lados, o gol acabou saindo em um lance raro. Aos 33 minutos, Caio cobrou um escanteio cheio de veneno, a bola enganou Fábio Costa e entrou direto na meta santista: gol olímpico. "É o meu primeiro gol olímpico, mas eu treino muito as jogadas de bola parada e graças a Deus deu certo", comemorou o meia palmeirense.Santos1Fábio Costa    ; Alessandro, Domingos, Marcelo e Thiago; Adoniran, Rodrigo Souto    , Vitor Júnior (Pedrinho) e Petkovic (Rodrigo Tabata); Moraes (Renatinho) e Kléber PereiraTécnico: Vanderlei LuxemburgoPalmeiras1Diego Cavalieri; Paulo Sérgio, Dininho, Gustavo e Valmir (Leandro); Pierre, Makelele, Valdívia e Caio (Luís); Luiz Henrique e Rodrigão     (Francis    )Técnico: Caio JúniorGols: Caio, aos 33 minutos do primeiro tempo; e Renatinho, aos 13 minutos do segundo tempoÁrbitro: Sálvio Spínola (SP)Renda: Não informadoPúblico: 16.206 pessoasEstádio: Vila Belmiro Como era de se esperar, no segundo tempo os donos da casa partiram para cima, pois a vitória era essencial para o Santos no confronto direto entre as duas equipes pela tão sonhada vaga da Taça Libertadores. E foi na segunda etapa que se destacou o lateral-direito Alessandro. Foi dos pés dele que começaram a sair os cruzamentos que infernizaram a defesa palmeirense. Um deles, aos 13 minutos, achou a cabeça de Kléber Pereira, mas Diego Cavalieri conseguiu fazer uma defesa espetacular, porém, o predestinado Renatinho no lugar certo e na hora certa. O atacante, que havia entrado no lugar de Moraes no intervalo, não perdoou e chutou com vontade para o fundo das redes. A partir daí o Palmeiras se viu completamente acuado pela pressão santista. Empurrados pela torcida que lotou a Vila Belmiro, e os pupilos de Vanderlei Luxemburgo - que colocou Tabata e Pedrinho com o objetivo de sair da partida com uma vitória - partiram para cima, mas na maioria das vezes parou nas hábeis mãos de Diego Cavalieri, que fez algumas belas defesas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.