Ricardo Saibun/Divulgação
Ricardo Saibun/Divulgação

Santos e Palmeiras fazem a primeira decisão na Vila Belmiro

Adversários na final da Copa do Brasil duelam pelo Brasileiro

Daniel Batista, Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2015 | 07h00

Santos e Palmeiras se enfrentam na decisão da Copa do Brasil só dia 25 de novembro, mas fazem neste domingo, na Vila Belmiro, às 17h, uma outra decisão, essa pelo Campeonato Brasileiro. A equilibrada disputa por uma vaga no G-4 faz com que o clássico ganhe uma importância muito grande. 

A diferença entre as equipes é de apenas dois pontos. O Santos iniciou a rodada na quarta colocação, com 50, enquanto o Palmeiras era o 8º, com 48. Uma derrota seria muito mais sentida pelo time alviverde, que veria o rival abrir cinco pontos de vantagem, sem contar os outros times que estão à frente, como Internacional, São Paulo e Sport. 

Embora estejam na disputa da Copa do Brasil, que dá ao campeão uma vaga na Libertadores, as duas equipes adotam o discurso de que não podem abandonar o Brasileiro, afinal de contas, só o vencedor da final fica com a vaga.

“Temos que esquecer a Copa do Brasil. Estamos satisfeitos com a possibilidade de disputar um título, mas temos que retomar o Brasileiro com tudo”, disse o técnico Marcelo Oliveira.

O técnico Dorival Junior reafirmou que vai continuar atuando nas duas frentes. “Deixando de pontuar em uma rodada, saímos do grupos dos quatro (G4). Seria confortável se conseguíssemos um distanciamento, mas isso não via acontecer no Campeonato Brasileiro como o nosso”, afirmou o técnico santista. 

Outro discurso repetido dos dois lados é que a partida de hoje não terá relevância alguma na Copa do Brasil. Entretanto, o fato de já terem disputado o título do Campeonato Paulista faz com que o confronto ganhe um tom de “revanche” para o lado alviverde. “O equilíbrio é grande. A classificação mostra a igualdade que tem entre as duas equipes”, avalia Dorival. 

FORÇA MÁXIMA

Em relação aos times, o técnico Marcelo Oliveira não quis antecipar quem será titular, mas na sexta-feira afirmou que pretendia levar a campo o que tinha de melhor. 

O veto a algum atleta dependeria apenas dos exames realizados esporadicamente neles para saber se correm risco de sofrer alguma lesão. 

Um dos poucos nomes certos em campo é de Lucas Barrios. Autor de dois gols diante do Fluminense, na quarta-feira, ele espera brilhar também em clássicos. “A ideia é deixá-lo no time para ele ganhar entrosamento”, explicou Marcelo Oliveira.

Cleiton Xavier, recuperado de dores musculares, pode aparecer no banco de reservas, após dois meses de ausência. O volante Thiago Santos, desfalque na quarta, deve reaparecer no lugar de Amaral. 

O Santos deve utilizar a mesma formação que eliminou o São Paulo na Copa do Brasil. A única dúvida é a permanência de Marquinhos Gabriel. O treinador quer incentivar a ideia de que não existem titulares absolutos e usou o conceito de “multiespecialista”. 

“O Geuvânio saiu do time por lesão, não por questões técnicas. Agora ele está voltando para brigar. Estamos saindo da era do especialista da posição. Agora é multiespecialista, senão acaba sucumbindo. Ele tem que saber joga por um setor e vai ter que ir a outro, porque a marcação estará forte. Isso é o que o Santos procura fazer, com jogadores versáteis”, conceituou o santista. 

FICHA TÉCNICA

SANTOS: Vanderlei; Daniel Guedes, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Marquinhos Gabriel, Gabriel e Ricardo Oliveira

Técnico: Dorival Júnior 

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Jackson, Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos (Amaral), Matheus Sales, Robinho, Dudu e Gabriel Jesus; Barrios

Técnico: Marcelo Oliveira

JUIZ: Pericles Bassols Cortez (RJ)

LOCAL: Vila Belmiro, em Santos

HORÁRIO: 17h


Mais conteúdo sobre:
Palmeiras Futebol Brasileirão Santos FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.