Ricardo Saibum/AGIF
Ricardo Saibum/AGIF

Santos e São Paulo apostam no ataque para manter a ascensão

Clássico na Vila Belmiro vale disputa pelo G-4

Gonçalo Junior e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2015 | 07h00

O clássico entre Santos e São Paulo representa uma disputa direta pelo G-4 hoje, às 22h, na Vila Belmiro. Embalado por uma sequência de 12 jogos de invencibilidade, no Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil, o Santos pretende confirmar de vez sua ascensão e se aproximar da zona da Libertadores. Após altos e baixos, o São Paulo quer manter a posição entre os quatro melhores que foi conquistada somente na última rodada. A distância entre os dois é de quatro pontos. 

Para o técnico Juan Carlos Osorio, o jogo é especial por reunir equipes ofensivas. “O Santos é o melhor time do Brasil jogando no ataque. Existem outros times como Grêmio, Corinthians, Palmeiras, mas jogam diferente. O Santos joga como nós, atacando, e creio que será um grande jogo”, disse.

Esse compromisso com a ofensividade está no duelo entre os atacantes Ricardo Oliveira, artilheiro do torneio com 15 gols e que marcou nos últimos cinco jogos da equipe, e Alexandre Pato, goleador do São Paulo na temporada que volta à equipe após suspensão na vitória sobre o Inter.

O clássico também representa um teste de fogo para a defesa do São Paulo, que não sofreu gol nos últimos quatro jogos. O setor estará desfalcado. Ceni está fora por causa de uma lesão na coxa direita que o tirou dos últimos três jogos; Luiz Eduardo, Carlinhos e Lucão ainda não estão em forma. 

“O Santos tem um ótimo ataque, mas o São Paulo também. A única forma de enfrentá-los é atacando. Sem a bola, temos de marcar sob pressão”, diz o meia Michel Bastos. 

Pato será novamente a referência na frente, porque Luis Fabiano não recuperou a forma física. O atacante deve dividir a responsabilidade com Rogério, reforço que foi muito bem no último jogo e passou à frente de Centurión e Wilder na fila dos reservas. “Pato é um dos melhores atacantes do Brasil e faz grande parceria com o Ganso. Estaremos atentos”, diz o zagueiro David Braz. 

Osorio também terá o retorno de Wesley e Thiago Mendes, que também estavam suspensos. Fiel ao estilo ofensivo, ele deve escalar Michel Bastos mais próximo ao gol, quase como um atacante, ao lado de Pato e Rogério. Ganso será mais uma vez o armador. 

O meia santista Renato prevê um jogo equilibrado, mas aposta no fator “casa” para desequilibrar a balança. O Santos tem oito vitórias seguidas na Vila, sete delas pelo Campeonato Brasileiro. No confronto direto com o rival de hoje, o retrospecto também é favorável. Nos últimos oito jogos, foram cinco vitórias e três empates. “Clássico é sempre complicado, mas sabemos a força que temos na Vila e queremos encurtar essa distância.” 

Apesar de o técnico Dorival Junior ter feito um treino fechado ontem, só existe uma dúvida na escalação. Geuvânio continua se recuperando de lesão muscular na coxa direita. Para o seu lugar, o técnico pode escolher entre Rafael Longuine, Leandro e Neto Berola. Dorival deve optar pelo último para manter a velocidade dos contra-ataques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.