Santos elimina o Cúcuta e está nas quartas da Libertadores

Equipe do técnico Emerson Leão vence por 2 a 0, fora de casa, e pensa no próximo adversário, o América-MEX

Alan Rafael Villaverde, estadao.com.br

09 de maio de 2008 | 01h11

 Fernando Vergara/AP  Molina, Kléber Pereira e Marcinho Guerreiro comemoram o primeiro gol da vitória do SantosSÃO PAULO - Determinado e entrosado, o Santos não encontrou dificuldades para vencer o Cúcuta por 2 a 0 na noite desta quinta-feira, no Estádio General Santander, em Cúcuta, e garantiu sua vaga às quartas-de-final da Copa Libertadores da América. Veja também: Classificação Calendário / Resultados Santos caminha firme na LibertadoresAgora, o time, comandado por Emerson Leão, encara a "zebra" da competição até o momento, o América, do México, que eliminou o Flamengo ao vencer por 3 a 0 em pleno Maracanã. A primeira partida do confronto acontece na Cidade do México, com data e horário a serem confirmados pela Conmebol. Com a vitória na primeira partida por 2 a 0, o Santos entrou em campo sem a necessidade de sequer vencer o embate; papel que era do Cúcuta, que precisava ao menos vencer pelo mesmo placar para levar a decisão para os pênaltis. O que se viu, no entanto, foi a apatia da equipe colombiana perante o bom toque de bola do time santista.A superioridade do Santos foi comprovada com cinco chances reais para abrir o placar em apenas 30 minutos do primeiro tempo, inclusive com um gol de cabeça de Fabão, que foi anulado por causa de impedimento. As chances desperdiçadas apenas retardaram o inevitável: a vitória do Santos, que começou a ser desenhada aos 40 minutos, quando Marcinho Guerreiro desceu ao ataque e chutou a bola para a defesa parcial de Castellanos. No rebote, Kleber Pereira chutou com categoria para abrir o placar.A empolgação do técnico do Cúcuta, Pedro Sarmiento, que havia dito que sua equipe tinha condições de vencer o Santos, acabou de vez no começo da segunda etapa. Superior no toque de bola, posicionamento e, principalmente, condicionamento físico, a equipe brasileira tratou de selar sua vaga às quartas com um belo gol do atacante Lima, aos sete minutos, após belo contra-ataque. Este foi o segundo gol do jogador em dois jogos.  Cúcuta-COL 0 Castellanos; Rivas (Arriaga), Portocarrero, Córdoba e González; Castro, Amarilla, James Castro (Henry) e Torres; Cabrera e Urbano Técnico: Pedro Sarmiento  Santos 2 Fábio Costa; Betão, Fabão, Marcelo e Kleber; Marcinho Guerreiro, Rodrigo Souto (Anderson Salles    ), Adriano     e Molina (Quiñonez); Kleber Pereira e Lima (Trípodi) Técnico: Emerson Leão Gols: Kléber Pereira, aos 40 minutos do primeiro tempo; Lima, aos sete minutos do segundo tempoÁrbitro: Carlos Amarilla (PAR)Renda: não disponívelPúblico: não disponívelEstádio: General Santander, em Cúcuta, Colômbia Com a classificação assegurada, Leão tirou Molina, Lima e Rodrigo Souto, pensando na estréia do time na Série A do Brasileirão, diante do Flamengo, no domingo, no Estádio do Maracanã, e o Santos passou a tocar a bola à espera do término do jogo que, por sinal, pareceu um treino para o time brasileiro, absoluto em campo. SEM MEDOO Cúcuta esperava por um Santos medroso, pensando apenas em se defender por causa da vantagem construída no primeiro jogo. O time brasileiro, no entanto, partiu para cima e liquidou com o ímpeto adversário. "Muitos pensavam que iríamos jogar aqui pensando em não perder para conquistar a classificação, mas entramos determinados a vencer", disse Molina, após o bom resultado.SEGUNDO COM JEITO DE PRIMEIROO Santos foi o segundo colocado do Grupo 6, com 10 pontos, um a menos que o Cúcuta. No confronto direto, no entanto, a vantagem foi toda do time santista, com três vitórias e um empate, com seis marcados contra apenas um sofrido.LADO TRISTE DA LIBERTADORESAo que parece, o torcedor sul-americano ainda não aprendeu a respeitar o adversário. Mesmo com o jogo em 0 a 0, torcedores do Cúcuta jogaram de tudo na tentativa de atingir jogadores santistas. O policiamento foi reforçado para evitar qualquer incidente de maior gravidade. A Conmebol não deverá punir o clube colombiano.  Até o momento, a única medida severa da entidade que comanda o futebol sul-americano foi a interdição do estádio do Boca Juniors, a Bombonera, uma vez que o auxiliar Pablo Fandiño foi atingido por um objeto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.