Carlos Costa/Futura Press
Carlos Costa/Futura Press

Santos empata em Goiás e deixa Oswaldo de Oliveira sob pressão

Lento e preguiçoso, time deixa vitória escapar após abrir vantagem por duas vezes

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

22 de maio de 2014 | 21h30

SÃO PAULO - O empate do Santos por 2 a 2 com o Goiás, nesta quinta-feira, deve prolongar os atritos entre o técnico Oswaldo de Oliveira e a diretoria. O Santos voltou a ser lento e pouco criativo, com muitas falhas defensivas e erros de finalização. O treinador vai argumentar que os desfalques pesam – ontem foram cinco mudanças. A toada vai continuar porque Gabriel, substituto de Leandro Damião, sofreu uma lesão muscular e saiu ainda no primeiro tempo.

Mesmo com cinco desfalques (três contusões e duas convocações), o Santos se mostrou encorpado e entrosado desde o início do jogo. Funcionou bem o revezamento entre Arouca e o estreante Renato, que voltou ao time depois de dez anos, na armação e na proteção da defesa. Lucas Lima organizava e bloqueava. A movimentação entre Geuvânio e Gabriel na frente também estava azeitada.

O gol saiu dessa boa organização do meio para a frente logo aos 8 minutos. Cicinho cruzou, Gabriel acertou o travessão e Geuvânio marcou no rebote. O que chama a atenção na jogada santista foi a passividade da zaga goiana, que só assistiu ao lance e não justificou o status de defesa menos vazada do Campeonato Brasileiro – eram dois gols sofridos em seis jogos.

Embora o Santos tenha se virado bem com as alterações na parte ofensiva, a defesa continua tão irregular como no Campeonato Paulista e sofre com a ausência dos titulares. Edu Dracena, Gustavo Henrique e até Neto fazem falta. Isso ficou claro quando o Goiás cobrou escanteio aos 25. Depois do desvio, Alex Alves apareceu sozinho para empatar. Esse desespero com a bola aérea se repetiu mais duas ou três vezes.

Essa fragilidade defensiva novamente foi compensada pelos jogadores da frente, que aproveitavam bem os espaços dados pela defesa do Goiás. David Braz compensou a falha de posicionamento no gol sofrido, avançou e sofreu pênalti de Thiago Mendes. Cícero, que pouco havia aparecido no jogo, bateu bem: 2 a 1.

O vai e vem do placar e as chances constantes de gol para os dois lados refletiam como as defesas estavam desatentas. Marcavam a bola e não o jogador; esperavam a definição do atacante em vez de procurar a antecipação e, principalmente, erravam a saída de bola. Além disso, o Santos tentou segurar o resultado desde os dez minutos do segundo tempo, trocando a cadência pela preguiça.

Esse foi o roteiro do empate do Goiás, aos 23. Renato saiu jogando errado, Assuério armou o contragolpe e Erik definiu a nova igualdade. Uma jogada feita por jogadores formados pela base do Goiás.

Aos 41, Renan fez uma grande defesa no chute de Stéfano Yuri (substituto de Gabriel) e impediu que o Santos tivesse paz nos próximos dias.

FICHA TÉCNICA:

GOIÁS 2 x 2 SANTOS

GOIÁS - Renan; Thiago Mendes, Jackson, Alex Alves e Juliano (Lima); Amaral, David, Ramon, Esquerdinha (Erik) e Tiago Real (Assuério); Danilo. Técnico - Ricardo Drubscky.

SANTOS - Aranha; Cicinho, Jubal, David Braz e Zé Carlos; Arouca, Renato (Leandrinho), Cícero e Lucas Lima; Geuvânio (Victor Andrade) e Gabriel (Stéfano Yuri). Técnico - Oswaldo de Oliveira.

GOLS - Geuvânio, aos 8, Alex Alves, aos 25, e Cícero (de pênalti), aos 38 minutos do primeiro tempo. Erik, aos 23 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Igor Junio Benevenuto (MG).

CARTÕES AMARELOS - David Braz (Santos); Thiago Mendes e David (Goiás).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolGoiásSantos FCBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.