Santos endurece e Diego não vai sair

Ainda não é desta vez que Diego irá jogar na Europa. A diretoria do Santos informou no início da tarde desta terça-feira que as negociações com o Tottenham foram suspensas, porque o clube inglês não encaminhou uma nova proposta para ficar com o jogador. O prazo era até o meio-dia de hoje, quando os dirigentes santistas esperavam ouvir uma oferta de cerca de US$ 15 milhões - bem acima dos US$ 9 milhões oferecidos inicialmente.Mas as negociações podem ser reabertas a qualquer momento, desde que os valores sejam aumentados. O presidente do Santos, Marcelo Teixeira, tem revelado que pretende manter Diego no elenco, mas aceita conversar se a proposta for boa. Não foi o caso da apresentada pelo Tottenham, na opinião do dirigente.Como o Santos detém 60% dos direitos federativos de Diego, ficaria apenas com US$ 5,4 milhões dos US$ 9 milhões oferecidos pelos ingleses. "Pelo que foi proposto até aqui, o Santos não tem interesse na negociação", avisou o presidente santista."Além dos valores pretendidos pelo Santos, há uma condição de que um percentual dos direitos continue pertencendo ao clube nos próximos cinco anos", explicou Marcelo Teixeira. Com isso, o Santos seria beneficiado com uma valorização do jogador nesse período. Mais: pretende liberar o atleta só no início de 2004.O pai e procurador de Diego, Dejair Silveira da Cunha, era o maior interessando na negociação. Dono de 40% dos direitos federativos do jogador, ficaria com US$ 3,6 milhões caso o negócio desse certo com o Tottenham, que, segundo ele, foi o primeiro a fazer uma proposta oficial. "Antes, houve muita sondagem, muita especulação."Dejair da Cunha entende que a saída de Diego é oportuna e que, como o jogador só tem 18 anos, pode se destacar no Tottenham e ser vendido posteriormente a um dos grandes clubes europeus. Entre um acerto agora e o investimento numa futura valorização do meia, o pai dele prefere a primeira alternativa.Com a suspensão das negociações, Dejair da Cunha terá de esperar uma nova oportunidade, mas sabe que o tempo corre a favor de seu filho. É que Diego tem mais 18 meses de contrato com o Santos e, no final, terá 100% dos direitos federativos, recebendo integralmente o valor da transação. Ele sabe também que a transferência não depende só dele e que o clube tem a última palavra, apoiado na multa rescisória que é de cerca de US$ 15 milhões.Mesmo com uma proposta para receber US$ 130 mil por mês, Diego não demonstra entusiasmo quando fala nessa possibilidade de jogar pelo Tottenham, mas tem consciência de que terá de se transferir para o clube que comprar seus direitos junto ao Santos e a seu pai. "Não consigo me imaginar saindo do Santos e espero que a diretoria trate com carinho essa questão", afirmou o jogador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.