Santos enfim mostra as suas contas

Os conselheiros do Santos vão, finalmente, conhecer as contas do clube referentes ao ano passado, quando a diretoria comandada pelo presidente Marcelo Teixeira assumiu e montou um time milionário, que elevou a dívida santista para os R$ 50 milhões admitidos pelos dirigentes. O presidente do Conselho Deliberativo, Esmeraldo Tarquínio, convocou a sessão pública ordinária para discutir e votar o balanço patrimonial para terça-feira, às 20 horas. Como o clube emendou o feriado desta quinta-feira e só retomará suas atividades na segunda, os conselheiros só terão dois dias para analisar as contas. Para complicar, o acesso aos documentos será individualizado, ou seja, só um de cada vez poderá olhar a papelada.Antes mesmo da apreciação das contas, já começou a polêmica a respeito do assunto. O estatuto prevê que elas sejam votadas em março, mas houve constantes adiamentos, até que o relatório final da Comissão Fiscal ficou pronto, na segunda-feira à noite. O balanço é relativo a um dos períodos mais confusos da história do clube: na expectativa de fechar um contrato milionário de parceria, os dirigentes montaram um time ainda mais caro, com a contratação de jogadores como Rincón, Carlos Germano, Edmundo, Valdo, Márcio Santos e outros.Essa política fez com que a folha de pagamento fosse inflacionada a níveis nunca antes vistos no clube e, quando falhou a negociação para fechar o acordo com os parceiros, chegou a hora de pagar a conta. Os atrasos de pagamento têm sido freqüentes e há quatro meses os jogadores não recebem o direito de imagem, a parte mais considerável de seus ganhos. Para evitar cobranças, as férias antecipadas estão sendo prorrogadas e, se não houver novo adiamento, a apresentação dos atletas ocorrerá segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.