Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Santos enfrenta a Ponte e a crise

Só uma vitória contra a líder Ponte Preta, nesta quarta-feira, às 21h45, na Vila Belmiro, salva o Santos - quarto colocado do Brasileiro - de uma grande crise, colocando em risco, inclusive, a permanência do técnico Gallo no cargo. O clima no clube é dos piores. A torcida pressiona os dirigentes exigindo a contratação de jogadores de ponta, enquanto chegam reforços apenas para completar o elenco. Para piorar a situação, os problemas médicos continuam atrapalhando o trabalho do treinador. Na terça-feira, Gallo recebeu a notícia de que o jovem lateral-esquerdo Carlinhos, esperança para ser o substituto do ídolo Léo, está com uma inflamação no púbis e ficará fora durante 20 dias. E Basílio e Diego não terminaram o treino coletivo, no CT Rei Pelé, porque sentiram dores, mas devem jogar.A esperança de gol está na possível estréia do centroavante Frontini, que até o final da semana passada era reserva na Ponte Preta. Só que para colocá-lo em campo, o Santos precisa da liberação de seus documentos pela adversária desta noite. Além disso, a pretensão de melhorar a qualidade do meio-de-campo para frente com a entrada de Léo Lima durou poucos minutos. Rapidamente, Gallo concluiu que o meia está muito longe da condição ideal.Diante desse quadro desanimador, o técnico resolveu antecipar o retorno do volante Fabinho, que sofreu uma contusão no tornozelo direito contra o Fluminense, voltou a jogar antes da hora, sentiu a lesão novamente e estava sendo preparado para enfrentar o Corinthians, domingo à tarde, na Vila Belmiro. Mas, como é preciso, ele está confirmado contra a Ponte.Antes do treino de terça, Gallo reuniu os jogadores durante 20 minutos, num canto do CT Rei Pelé, longe da imprensa, e falou sobre as qualidades da Ponte e o que o Santos precisa fazer para melhorar. "A Ponte é líder porque marca muito. Precisamos ter a mesma determinação que ela e ainda criatividade para chegar ao gol", avisou Gallo.À torcida, ele pede paciência. "Esse momento é de transição, de montagem do elenco e mesmo assim estamos em quarto lugar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.