Ivan Storti/Divulgação
Ivan Storti/Divulgação

Santos entra em campo na Bahia pelo Brasileirão já sem Cícero

Diretoria não aceita dar ao jogador o aumento de salário que ele queria, o que resulta em sua ida para o Fluminense

Sanches Filho , O Estado de S. Paulo

29 de maio de 2014 | 06h49

SANTOS - O Santos ficou mais fraco para enfrentar o Bahia nesta quinta-feira, às 21h, no Estádio Joia da Princesa, em Feira de Santana, por causa da venda de Cícero ao Fluminense. O volante formou a dupla de ataque com Gabriel no treino de quarta pela manhã e estava escalado por Oswaldo de Oliveira, mas no começo da tarde entrou no ônibus que levou o time ao Aeroporto de Guarulhos apenas para se despedir dos companheiros. Anderson Carvalho foi chamado às pressas para completar a delegação.

A diretoria santista confirmou a negociação, sem revelar quanto vai receber pela liberação de Cícero, cujo contrato terminaria em 31 de dezembro.

Oswaldo fez de tudo para não perder Cícero, que ele julga ser um jogador completo, com qualidade até para jogar na seleção brasileira. Nas primeiras investidas do Fluminense para levar o volante de 29 anos para as Laranjeiras, o treinador disse que já havia perdido Montillo e não imaginava o Santos sem Cícero.

Depois de o jogador ter atendido o seu pedido para não ser escalado contra o Flamengo, domingo, no Morumbi, para não estourar o limite de sete jogos e, assim, ficar impossibilitado de trocar de clube no Brasileirão, o treinador chegou a acreditar ter convencido os integrantes do Comitê de Gestão a dar o aumento salarial de R$ 150 mil e antecipar a renovação do contrato de Cícero, que passaria a ganhar R$ 500 mil por mês. Nesta quarta, a caminho do ônibus, Oswaldo, sorridente, disse só uma frase sobre o tema: "Por mim, Cícero está escalado e joga."

A perda de Cícero é mais uma demonstração de falta de apoio da diretoria ao trabalho de Oswaldo, que tem sido questionado dentro e fora do clube desde o fracasso do time na decisão do Campeonato Paulista, contra o Ituano. Com apenas uma vitória em sete jogos no Campeonato Brasileiro, o Santos corre o risco de passar a Copa do Mundo na zona de rebaixamento se não derrotar o Bahia nesta rodada e o Criciúma no domingo, em São Bernardo do Campo.

DESFALQUES

Sem Leandro Damião, Thiago Ribeiro, Rildo e Stefano Yuri, que estão machucados, Oswaldo deve escolher Diego Cardoso para ser o companheiro de ataque de Gabriel. A outra opção é Victor Andrade, que teve fraco desempenho diante do Flamengo. O treinador reforçou o meio de campo com a escalação de três volantes (Alan Santos, Renato e Arouca) para que Cicinho atue quase como um ponta-direita. Neto será o substituto do zagueiro David Braz, que está suspenso pelo terceiro amarelo.

O Bahia pretende explorar o momento de instabilidade do Santos apostando no ataque. A intenção dos baianos é interromper a sua série de três jogos sem vencer no Brasileirão. No treino de da manhã desta quarta, o técnico Marquinhos Santos escalou o versátil Talisca para armar o jogo e formou o ataque com William Barbio, Maxi Biancucchi e Henrique.

BAHIA X SANTOS

BAHIA - Marcelo Lomba, Roniery, Demerson, Titi, Guilherme Santos, Fahel, Wilson Pittoni, Anderson Talisca, William Barbio, Maxi Biancucchi, Henrique. Técnico: Marquinhos Santos

SANTOS - Aranha, Cicinho, Neto, Jubal, Zé Carlos, Alan Santos, Renato, Arouca, Lucas Lima, Gabriel, Diego Cardoso. Técnico: Oswaldo de Oliveira

Árbitro: Wagner Reway (MT). Local: Estádio Joia da Princesa, em Feira de Santana. Horário: 21h. Transmissão: Sportv

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FCBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.