Robson Fernandjes/AE
Robson Fernandjes/AE

Santos espera duas vitórias para pedir dispensa de Neymar

Jovem promessa foi convocada para a seleção brasileira sub-17 que disputará o Campeonato Sul-Americano

Sanches Filho, Agencia Estado

24 de março de 2009 | 20h28

SANTOS - O Santos só vai pedir a dispensa de Neymar se ganhar do Santo André nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, e do Barueri, sábado à tarde, fora de casa, mantendo assim as chances de classificação às semifinais do Paulistão. A jovem promessa santista foi convocada para a seleção brasileira sub-17, que disputará o Campeonato Sul-Americano no Chile, entre 17 de abril e 9 de maio, e terá que se apresentar no próximo dia 30, no Rio de Janeiro.

Veja também:

linkMancini diz que Santos encara Santo André como final

linkNeymar é chamado na seleção sub-17 e desfalca Santos

linkClubes mostram dossiê para unificar títulos brasileiros

linkFPF define programação da 18.ª rodada do Paulistão

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Neymar é um jogador muito importante e se tivermos com chance de classificação vamos pedir a sua dispensa à CBF", disse o técnico Vágner Mancini na tarde desta terça-feira, discordando de sua convocação. "A sub-17 é pouco para ele, embora também seja seleção brasileira. Pelo nível que Neymar atingiu e pelo jogador centrado que já é, tem que ser convocado para a sub-20."

Mancini não se arrependeu de ter escalado Neymar desde o início contra o Corinthians e achou normal a sua atuação no clássico. "A conversa que tive com ele foi a que tive com todos os atletas ao mesmo tempo. Neymar teve uma função diferente, participando da marcação, e se não jogou melhor foi porque o time não teve encaixe e sofreu aquele gol", explicou o treinador.

HORÁRIO INDESEJÁVEL

O Santos vai tentar mudar o horário do jogo contra a Portuguesa, inicialmente marcado para as 20h30 do dia 2 de abril e que passou para as 15h45 do mesmo dia. A sugestão dos dirigentes é para que a partida seja antecipada para a noite do dia 31 de março ou remarcada para o início da noite do dia 2. "Entendemos que quem paga (a televisão) tem o direito de mudar o horário, mas a nossa preocupação é que no novo horário vamos jogar sem público", disse o diretor de futebol, Adilson Durante Filho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.