Manu Fernandez/AP
Manu Fernandez/AP

Santos espera fechar acordo com Robinho até quarta-feira

Milan libera jogador da pré-temporada e aceita receber 8 milhões de euros

SANCHEZ FILHO - Especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

09 de julho de 2013 | 08h00

SANTOS - Robinho está louco para voltar, o Milan quer vender e o Santos quer comprar. Agora, o retorno do jogador à Vila Belmiro depende apenas do sinal verde do Comitê Gestor, na reunião de quarta-feira. A resposta deve ser positiva porque o clube italiano reduziu o seu pedido inicial de 10 milhões para 8 milhões (pouco mais de R$ 23 milhões), a serem pagos em parcelas.

Robinho, que teria sido liberado pelo Milan da pré-temporada, também fez a sua parte ao abrir mão do salário milionário e das luvas de quase R$ 5 milhões por três anos de contrato.

A exigência de Robinho, que seria de R$ 1,3 milhão mensal, livre de impostos, caiu para R$ 800 mil diante do compromisso do Santos de aumentar seu ganho com publicidade. E nenhum outro jogador reúne tantos requisitos quanto ele para ser o líder de um time em formação e dar suporte aos jovens que estão subindo da base.

"Estamos fazendo as contas para saber quanto Robinho vai custar ao Santos. É um pacote, que inclui a liberação, salários, encargos e premiações por um contrato de três anos", disse o presidente em exercício Odílio Rodrigues. "É preciso ter certeza de viabilidade do negócio".

Há 10 dias, o vice chegou a anunciar que, diante dos valores apresentados, o Santos tinha desistido de Robinho. A situação tomou outro rumo a partir do momento que o jogador entrou em contato com a direção do clube e nomeou a sua advogada, Marisa Alija Ramos, para cuidar dos seus interesses nas duas frentes. No fim de semana, Marisa retornou de Milão, satisfeita com o sucesso na "operação Milan".

A advogada passou ao Santos o pedido do clube italiano e as condições de Robinho para assinar o contrato de três anos, provavelmente o último de sua carreira. Agora, cabe ao Comitê a palavra final. Internacional e Flamengo desistiram temporariamente do jogador, mas acompanham as negociações.

Como o Milan aceita parcelar o pagamento e o Santos vendeu Felipe Anderson para a Lazio e acerta os últimos detalhes da transferência de Rafael para o Napoli, dinheiro não é problema. O que ainda pesa é se vale a pena fazer um investimento de mais de R$ 60 milhões em três anos – o valor aproximado do pacote – por um jogador de 29 anos, sem perspectiva de retorno financeiro. "Esse é o tipo de contratação em que o lucro previsto é o esportivo", reconheceu Odilio.

O retorno de Robinho é o sonho de consumo da maioria dos componentes do Comitê Gestor. Um pouco pela certeza de que com ele, o time vai voltar a ser forte e respeitado, como quando Neymar era a referência. E mais por questões políticas. O Comitê não quer entrar para história como quem vendeu Neymar e Ganso, dois ídolos formados desde a infância pela administração de Marcelo Teixeira, além de ter desmanchado o time campeão da Libertadores de 2011.

TIME NÃO MUDA

Edu Dracena treinou entre os reservas segunda-feira, mas não voltará ao time contra o Crac-GO, pela terceira fase da Copa do Brasil, amanhã às 21h50, na Vila Belmiro. Gustavo Henrique, uma das revelações do clube, vai continuar na posição. Claudinei Oliveira vai manter a equipe que derrotou o São Paulo no Morumbi.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos fcesportesfutebolrobinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.