Santos ganha em trapalhadas do São Paulo

Parecia que São Paulo e Santos não disputavam três pontos, neste sábado, no Morumbi, mas jogavam para ver quem errava menos. Num festival de passes errados, chutes tortos, cruzamentos sem direção e falhas individuais, melhor para o Santos, que aproveitou melhor os vacilos do adversário e venceu por 2 a 1, chegou aos 52 pontos e mantém seu objetivo de lutar por uma vaga na Copa Libertadores. Ao São Paulo, que estacionou nos 44, resta provar que ainda pode mostrar um futebol de alto nível, no clássico contra o Corinthians, nesta segunda-feira, novamente no Morumbi. É certo que os desfalques ? Giovanni e Luizão, no Santos, e Júnior e Souza, pelo São Paulo ? fizeram falta. Mas quem entrou em campo poderia ter se empenhado em fazer uma apresentação melhor. Os primeiros 45 minutos foram de dar sono, praticamente sem emoções. Apesar de errar inúmeros passes no meio-campo, o São Paulo foi ligeiramente mais perigoso. Aos 4 minutos, Danilo arriscou da entrada da área, mas não acertou o alvo. O Santos jogou nos contra-ataques puxados por Ricardinho, mas levou pouco perigo a Rogério Ceni. Conseguiu algumas faltas perto da área, mas nenhuma foi para o gol. Na etapa final, os erros de passe continuaram de parte a parte. Mas Renan conseguiu superar todos eles. O volante, que até hoje não mostrou porque está no elenco profissional, fez gol contra, de cabeça, depois de cruzamento de Basílio ? que visava Geilson: Santos 1 a 0. O São Paulo só acordou no jogo depois de sofrer o gol. Mas antes de reagir, deu mais um gol de presente para o rival. Aos 16, Rogério Ceni cobrou uma falta no ataque. O chute do goleiro acertou a barreira e os santistas, melhor posicionados, aproveitaram a lentidão da defesa, saíram no contra-ataque e Geilson, dentro da área, marcou segundo. Sem alternativas, Paulo Autuori mandou o time para o ataque com as entradas de Amoroso e Leandro Bomfim, nos lugares de Danilo e Renan. Mais na vontade, o São Paulo pressionou e conseguiu diminuir. Aos 26, Thiago foi obstruído por Ricardinho na área. Fabão bateu fraco, mas Mauro falhou e soltou a bola nos pés de Amoroso, que mandou para as redes. Nos minutos finais, enquanto o time da casa pressionou bastante, o Santos investiu tudo nos contra-ataques. Aos 35, Cicinho cruzou na área e Lugano perdeu o gol, de frente para Mauro. Christian e Amoroso ainda perderam boas chances para empatar, mas os tricolores não tiveram competência para conseguir nada melhor.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2005 | 22h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.