Santos goleia Figueirense em Mogi

Só faltou a praia para oSantos se sentir em casa de verdade. Com calor infernal de 32graus, estádio acanhado, torcida apaixonada e Robinho inspirado,o time goleou o Figueirense com toda a autoridade por 4 a 1,neste domingo à tarde, em Mogi-Mirim; chegou aos 47 pontosganhos e retomou a liderança do Campeonato Brasileiro. A equipeda Vila foi beneficiada ainda pelo empate (2 a 2), do Palmeirasem Salvador. O Santos comprovou que continua candidatíssimo aotítulo e só precisa superar a instabilidade fora de São Paulo."Nós escolhemos jogar em Mogi-Mirim porque Vanderlei Luxemburgosabia que faria forte calor aqui. Isso valeu mais do que ogramado", entregava o presidente Marcelo Teixeira. A estratégiade Luxemburgo foi a mesma de um cruel lutador de boxe.Foi cansando o adversário até levá-lo a nocaute. Desde o inícioda partida, os seus jogadores tocavam a bola para desgastar otime de Santa Catarina, que possui veteranos em posições-chaveda equipe.Para piorar ainda mais as coisas para o técnico Dorival Júnior,a marcação santista na saída de bola era implacável. Logo aos 6minutos começou o massacre. Elano dominou a bola da entrada daárea e acertou chute fortíssimo: 1 a 0, Santos. Tudo piorariarápido para o Figueirense. Aos 20 minutos, Robinho aproveitoufalha da zaga, dominou a bola e mostrou sangue frio diante dobom goleiro Édson Bastos: 2 a 0.Mas mesmos desnorteados pelos gols, os catarinenses seaproveitaram do eterno ´calcanhar de Aquiles´ santista: suadefesa. Fabinho não protege os zagueiros. André Luís falha emlances bisonhos e apela para a violência. E Tapia deixa todosinseguros.Aos 31 minutos, o lateral André Santos se cansou de tomardribles de Robinho e foi para a linha de fundo. Cruzou para ominúsculo Izaías se antecipar e descontar para o Figueirense: 2a 1. Nem mesmo a experiência de Antônio Carlos servia paraevitar que lances esporádicos, como levantamentos daintermediária para a área, deixassem Luxemburgo e os torcedorestensos. A zaga precisa ser reforçada se o Santos quer seguirtranqüilo rumo ao título.Sorte é ter Robinho. Mal começou o segundo tempo, o atacantedriblou dois jogadores e deixou Deivid livre na frente dogoleiro. E Deivid não teve a coragem de perder o gol: Santos 3 a1, aos 4 minutos.A partir daí, os cansados catarinenses trataram apenas de nãosofrer uma goleada histórica. Ainda deu tempo para Deividdevolver a Robinho o presente: Santos 4 a 1, aos 33 minutos. Otime de Luxemburgo fez a lição de casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.