Martin Mejia/AP
Martin Mejia/AP

Santos joga mal na altitude do Peru e perde em estreia na Libertadores

Time da Vila Belmiro tomou um gol em cada tempo e não teve forças para reagir

Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

01 Março 2018 | 21h14

Apesar do embalo recente, o Santos estreou com derrota na Copa Libertadores. Com dificuldades na altitude de Cuzco, no Peru, o time de Jair Ventura foi batido pelo Real Garcilaso por 2 a 0, na noite desta quinta-feira, no encerramento da primeira rodada do Grupo F. Pela primeira vez desde que voltou ao clube, Gabriel passou em branco.

+ Confira a tabela da Libertadores

Numa atuação abaixo do esperado, no estádio Inca Garcilaso de la Vega, o time brasileiro se excedeu na cautela no primeiro tempo, em razão da altitude de 3.400 metros, e esteve perto de levar uma goleada, não fosse a falta de pontaria do rival e as boas defesas de Vanderlei.

Na segunda etapa, os brasileiros melhoraram e até tiveram oportunidades para ao menos empatar. Mas também sofreram perigos na defesa, diante da apatia do seu meio-campo e das fracas atuações de Gabriel e Vecchio. Nos instantes finais, o rival peruano buscou o segundo gol, num belo chute de Alfredo Ramúa.

Com o resultado, o Real Garcilaso despontou na liderança do Grupo F da Libertadores, com três pontos. O uruguaio Nacional e o argentino Estudiantes, que empataram na estreia, exibem um ponto cada. E o Santos ocupa o quarto e último lugar da chave, sem pontos.

O JOGO

O Santos entrou em campo nesta quinta vindo de uma série de três vitórias seguidas, o que garantia ao técnico Jair Ventura seu melhor momento na equipe desde sua chegada, na primeira semana do ano. Nada disso, porém, se viu no primeiro tempo em Cuzco.

O Santos foi completamente dominado pelo Real Garcilaso nos primeiros 45 minutos de jogo. Exibindo certa cautela, em razão da altitude da cidade peruana, o time raramente passou do meio-campo, sofreu perigo constante em sua defesa e saiu de campo no "lucro" no intervalo, com a derrota parcial por 1 a 0.

Na etapa inicial, a equipe da casa teve oportunidade de golear, principalmente após abrir o placar logo aos 7 minutos. Após cruzamento da esquerda, Vidales aproveitou vacilo de Daniel Guedes na marcação e completou na área para o gol.

A melhor chance de empate dos brasileiros veio na sequência, aos 15. Gabriel Barbosa, o Gabigol, perdeu grande chance, cara a cara com o zagueiro, quando o goleiro já estava fora da jogada. O defensor tirou a bola em cima da linha, diante do fraco chute do atacante.

Na sequência, o Real Garcilaso acumulou chances perdidas. Não saiu de campo no intervalo com maior vantagem no placar porque falhava nas finalizações ou porque Vanderlei salvava o Santos debaixo da trave.

Depois dos sustos, o Santos voltou melhor para o segundo tempo. Tomando mais iniciativa, ocupava o meio-campo e buscava o ataque com mais frequência. Ao mesmo tempo, o Real Garcilaso recuava, demonstrando certo cansaço após a correria da etapa inicial.

E, ganhando espaço, o time brasileiro quase empatou aos oito minutos. Vecchio, que vinha apagado em campo, desperdiçou chance incrível. Na jogada, Gabriel acionou Sasha, que disparou pela direita e cruzou rasteiro para o argentino. Mas o meia encheu o pé e, da marca do pênalti, mandou por cima do travessão.

Gabigol também teve a sua chance. Aos 21, ele completou, de primeira, levantamento na área. Finalizou para fora. Preocupado, Jair Ventura tratou de fazer mudanças. Trocou o lateral Jean Mota pelo atacante Arthur Gomes - Copete acabou sendo recuado para cobrir a lateral. E sacou Vecchio por Vitor Bueno.

Depois, o treinador apostou na juventude de Rodrygo que, aos 17 anos, se tornou o jogador mais jovem a defender o Santos na Libertadores. Nenhuma mudança, porém, afetou o ritmo de jogo do time brasileiro, ainda abaixo do esperado e sem conseguir acompanhar os anfitriões.

Como consequência, o Real Garcilaso selou a vitória com um belo gol aos 43 minutos do segundo tempo. Alfredo Ramúa acertou forte chute da intermediária e confirmou a vitória dos donos da casa. A bola ainda carimbou o travessão, quicou dentro do gol e saiu, diante da festa dos anfitriões.

O Santos volta a campo pela Libertadores no dia 15, contra o Nacional, em casa. No fim de semana, o time fará o clássico com o Corinthians, domingo, no Pacaembu, pela 10ª rodada do Campeonato Paulista.

FICHA TÉCNICA:

REAL GARCILASO 2 X 0 SANTOS

REAL GARCILASO - Diego Morales; Arismendi, Lampros Kontogiannis, Gustavo Dulanto e Iván Santillán; Luis García (Archimbaud), Julio Landauri (Cóssio), Luis Álvarez e Jhonny Vidales (Fernando Pérez); Alfredo Ramúa e Franco. Técnico: Oscar Ibáñez.

SANTOS - Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota (Arthur Gomes); Alison, Renato e Vecchio (Vitor Bueno); Eduardo Sasha (Rodrygo), Copete e Gabriel Barbosa. Técnico: Jair Ventura.

GOLS - Vidales, aos 7 minutos do primeiro tempo. Alfredo Ramúa, aos 43 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Vecchio, Dulanto, Lucas Veríssimo, Vitor Bueno.

ÁRBITRO - Gery Vargas (Bolívia).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Inca Garcilaso de la Vega, em Cuzco (Peru).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.