Santos lamenta derrota e gols levados em contra-ataques

O Santos sentiu demais a ausência de Neymar e não teve forças para derrotar o Figueirense, desfalcado de cinco titulares, neste sábado, na Vila Belmiro. Com a derrota por 3 a 2, o campeão continental teve interrompida a série de oito jogos sem perder. O único jogador que teve motivo para sair de campo satisfeito foi Borges, que fez mais um gol, passando a somar 19 em 22 jogos.

SANCHES FILHO, Agência Estado

24 de setembro de 2011 | 20h48

"Fui feliz no lance do gol e poderia ter marcado o segundo ainda no primeiro tempo, mas a bola prendeu na marcação", afirmou o goleador, admitindo que em razão de liderar a artilharia do Campeonato Brasileiro e por ter sido convocado à seleção brasileira recebeu marcação mais forte. "Mas, hoje (sábado) foi um dia em que não conseguimos jogar o nosso melhor futebol. Agora é refletir e ver onde erramos".

Edu Dracena estava revoltado após o jogo. "Não adianta Muricy avisar. Não é possível a gente continuar tomando tanto gol no contra-ataque. Foi assim contra o América-MG e hoje duas vezes. Temos que corrigir esse defeito se quiser subir na classificação", desabafou o capitão santista.

Muricy concorda que o Santos perde muito sem Neymar, não escondia a irritação na coletiva de imprensa, mas não criticou o time. "Aconteceu. Isso é coisa do futebol. Todos queriam ganhar, foram para frente e sofremos os gols nos contra-ataques. E concordo que Neymar faz falta, mas não é só ao Santos, mas a qualquer time do mundo".

Com as convocações de Neymar, Rafael, Danilo e Borges e como o time não joga no meio de semana, Muricy deu folga de dois dias aos jogadores, marcando a reapresentação para terça-feira às 10. O próximo jogo do Santos será contra o Fluminense, no próximo sábado, em Volta Redonda, no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.