Santos lamenta lentidão no segundo tempo

Depois de iniciar a partida em alta velocidade, quando conseguiu criar as melhores oportunidades ofensivas, o Santos diminuiu o ritmo, possibilitando o crescimento da equipe do Cruzeiro, que passou a contar com o apoio de seu torcedor. E, assim como na última rodada, quando sofreu a virada diante do Vasco, após estar vencendo por 2 a 0, o time santista não suportou a reação da Raposa, que virou o jogo, após estar perdendo por 2 a 1. Mais uma vez, além dos erros na marcação, os jogadores da equipe da Vila Belmiro lamentaram o ´apagão´ apresentado, principalmente no segundo tempo. Apesar dos erros, no primeiro tempo, a equipe santista deu a impressão de que sairia do Mineirão com um resultado melhor. O experiente Giovanni, que participou das jogadas dos dois gols do Santos, disse que a equipe não conseguiu, na primeira etapa, repetir o desempenho apresentado no primeiro tempo. O próprio jogador reconhece que ficou preso à marcação do adversário. "No primeiro tempo, conseguimos tocar a bola com velocidade. Assim, conseguimos criar nossas oportunidade de gol. Já no segundo tempo, tivemos mais dificuldades", explicou. Autor do segundo gol santista, em cobrança de falta, na entrada da área, recebida por Giovanni, o armador Ricardinho reclamou da lentidão da equipe, principalmente na segunda etapa. Segundo o jogador, o time já vinha demonstrando deficiências na saída de bola, desde o final do primeiro tempo. "A gente sentiu dificuldades para tocar a bola e encontrar os espaços. A equipe do Cruzeiro voltou para o segundo tempo marcando forte e não fomos capazes de conseguir fugir desta marcação. Faltou movimentação e velocidade nos passes", disse. Assim como o companheiro, o veloz atacante Basílio preferiu ressaltar a reação do Cruzeiro. Para o atacante, o Santos até que tentou segurar a pressão do adversário, porém, foi surpreendido pelos dois gols sofridos, seguidamente, com pouco mais de 15 minutos de segundo tempo. "O Cruzeiro voltou para o segundo tempo se movimentando muito, principalmente com o Fred. Mesmo fazendo uma marcação forte, tivemos dificuldades para conter essa movimentação. E isso acabou sendo determinante para o resultado", completou o jogador. Já o goleiro Saulo disse que o time do Santos voltou para o segundo tempo ´sonolento´. Segundo o goleiro, essa apatia foi percebida pelo Cruzeiro, que aproveitou para virar o jogo e conseguir a vitória por 3 a 2. "Essa sonolência não pode acontecer. Aconteceu contra o Vasco e voltou a acontecer contra o Cruzeiro. Agora, temos duas partidas em casa e não podemos perder a oportunidade para conseguirmos as vitórias. Senão, os líderes vão se distanciar ainda mais", alertou Saulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.