Santos: Libertadores ainda é o objetivo

A derrota para o Cruzeiro complicou bastante a luta do Santos para conseguir uma vaga para a Libertadores, mas o técnico Nelsinho Baptista não que ver seu grupo desanimado para o jogo de quarta-feira contra a Ponte Preta, em Campinas. Das sete partidas que ainda vai disputar, os santistas têm de ganhar quatro para se classificar e o treinador reconhece a dificuldade maior, mas acha que tudo ainda está dentro do planejamento. O que não estava nos planos dos santistas era a derrota para o Cruzeiro no domingo e isso fez com que os adversários que estão à frente livrassem mais pontos. "Deixamos de somar três importantes pontos", disse Nelsinho Baptista, lamentando que seu time teve chance de decidir a partida no primeiro tempo. "Tivemos bom volume, mas não conseguimos transformá-lo em gols", comentou. O meia Léo Lima, que substituiu o contundido Luciano Henrique no jogo contra o Cruzeiro, também acha que ficou mais difícil conquistar a vaga. Como todos no grupo, acha, mesmo assim, que isso não é impossível. "Mas vamos ter de intensificar mais nosso trabalho para continuarmos correndo atrás desse objetivo". Wendel, que vai substituir o suspenso Kleber na lateral-esquerda, prefere nem pensar por enquanto no Corinthians, adversário de domingo. "Temos de vencer a Ponte de qualquer jeito, porque senão nossas chances para a Libertadores cairão para zero". O goleiro Saulo discorda: "no ano passado, fomos campeões nas duas últimas rodadas e enquanto tivermos chances, vamos lutar pela vaga na Libertadores, nossa principal meta". Para isso, ele acha que o time precisa somar o maior número possível de pontos e afastar um pouco a má sorte. "Temos jogado bem e os bons resultados nem sempre estão acontecendo". Wendel é meio-campista e vai jogar na lateral-esquerda mais uma vez. "Isso não é problema e desde minha apresentação meu objetivo é sempre ajudar, independente da posição em que sou escalado", disse ele, lembrando que às vezes em que atuou na lateral "pude ajudar bastante naquele setor". Os problemas da defesa permanecem, porque Luís Alberto não foi liberado pelos médicos e desfalcará a equipe no jogo contra a Ponte Preta. Luciano Henrique é outro problema: ele foi o jogador que deu maior velocidade à saída de bola do meio-de-campo, garantindo maior desempenho do ataque. Ele não jogou domingo e fez falta, tendo sido substituído por Léo Lima. ATAQUE - Para o jogo de quarta contra a Ponte Preta, Nelsinho Baptista não vai poder contar novamente com Giovanni e Luizão, suspensos. Com isso, Basílio e Geílson deverão continuar formando a dupla ofensiva do Santos. Na partida de domingo, o novato Geílson deu o passe para o veterano Basílio marcar o gol e os dois começam a se entender melhor dentro de campo. Durante o jogo sem a presença de torcedores, Basílio foi ouvido orientando o colega e acha que isso é normal. "Os mais experientes sempre conversam com os mais novos, sempre orientando-os", disse. E elogiou o colega: "ele é muito bom e vai desenvolver todo o seu potencial". Para Basílio, a situação do time é diferente dos anos anteriores. "Em três anos, o time foi duas vezes campeão brasileiro e uma vice porque manteve a base de um ano para outro", disse ele. Chegaram muitos jogadores e saíram atletas importantes como Robinho, Deivid e Léo no meio do ano. "Quando o time muda muito, fica difícil manter a mesma produção, pois o entrosamento e a adaptação requerem um certo tempo para acontecer".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.