Santos luta para segurar Robinho

A permanência de Robinho no Santos ainda é uma incógnita. E mexe com o coração dos santistas que idolatram cada vez mais o atacante depois de nova conquista do Campeonato Brasileiro. A diretoria do clube tenta fechar parceria que renda quantia suficiente para manter um dos maiores jogadores do time da Vila Belmiro dos últimos tempos. Mas a supervalorização da moeda européia em relação ao real e o drama vivido por Robinho recentemente, com o seqüestro de sua mãe, podem pesar para que ele decida partir do Brasil.Segundo o presidente Marcelo Teixeira, a manutenção de Robinho no elenco do Santos é uma questão fechada. O atacante tem contrato até janeiro de 2008, com cláusula de multa rescisória estipulada em US$ 50 milhões. Hoje em dia, porém, isso não representa garantia nenhuma. Em agosto, o meia Diego optou por jogar na Europa e os dirigentes não tiveram como segurá-lo. O jogador acabou se transferindo para o Porto por US$ 8 milhões, valor bem abaixo da multa estipulada pelo clube santista.O mesmo temor ronda agora o atacante Robinho. A diretoria garante a permanência do atleta até o final do primeiro semestre e sua participação na Libertadores, mas existe a possibilidade de o jogador querer sair do País, principalmente depois do seqüestro de sua mãe, Marina Souza, que durou 41 dias.Benfica, Chelsea, Real Madrid e Barcelona são alguns dos clubes europeus que brigam para levar Robinho. Resta saber se o Santos, dono de 60% do passe do jogador - o atleta tem 30% e o seu empresário, Wagner Ribeiro, tem mais 10% -, vai resistir a esse assédio, cada vez maior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.