Arquivo/AE
Arquivo/AE

Santos muda discurso e elogia árbitro de quinta-feira

Roberto Brum e Fabiano Eller defendem José Henrique de Carvalho, que apita o jogo contra a Portuguesa

Sanches Filho, Agencia Estado

30 de março de 2009 | 17h37

SANTOS - O Santos resolveu mudar o discurso para o jogo com a Portuguesa, quinta-feira, na Vila Belmiro. Depois das fortes críticas dos jogadores e dirigentes à marcação de impedimento no lance do gol de Fabiano Eller, contra o Barueri, Roberto Brum e Fabiano Eller rebateram as declarações de Edno e defenderam o juiz José Henrique de Carvalho, escalado para partida decisiva na definição de uma das vagas das semifinais do Campeonato Paulista.

Veja também:

linkFabiano Eller comemora boa fase da defesa santista

tabela Campeonato Paulista - Classificação 

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão 

"O que os jogadores da Portuguesa falaram é psicologia barata para tentar forçar uma situação para o jogo que ainda nem começou", reagiu Roberto Brum, referindo-se às insinuações do meia Edno, da Lusa, dizendo que é preciso ficar de olho com a arbitragem porque entre Santos e Portuguesa todos pendem para o lado do Santos. "Acredito no árbitro, que tem família e caráter", acrescentou.

Fabiano Eller segue a mesma linha de pensamento de Brum e disse que não acredita que um árbitro vá para o jogo pensando em prejudicar um ou outro clube. "A partida será decisiva para os dois e importante também para ele [juiz]. O mais provável é que ele procure ter uma boa atuação e não tentar beneficiar um dos times e sair de campo mal falado", ponderou o zagueiro.

Apesar de a Portuguesa ter vencido o Mirassol com um gol irregular (Fabrício Carvalho, tocou a bola com a mão) e sido beneficiada pela marcação de um pênalti duvidoso na goleada por 4 a 1 sobre o Marília, Eller não acredita em manobra de bastidores para impedir a chegada do Santos às semifinais. "Antes de mais nada é preciso dar mérito à Portuguesa, que está jogando bem. E, em segundo lugar, se o nosso time entrar em campo preocupado com o juiz pode esquecer de jogar", emendou o zagueiro.

Ao contrário de alguns companheiros e diretor de futebol, Adilson Durante Filho, não acha que houve parcialidade do auxiliar de arbitragem que anulou o seu gol contra o Barueri. "Foi um lance muito difícil e nós mesmos ficamos na dúvida, tanto que nem houve pressão sobre o juiz", lembrou.

Em vez de se preocupar com assuntos extra-campo, Eller sugere que o Santos se concentre apenas no jogo. "Esse vai ser o jogo mais importante do ano até aqui. Por isso, vamos dar a vida nessa partida, conscientes de que em caso de derrota estaremos fora da briga pela vaga", analisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.