Santos FC/Divulgação
Santos FC/Divulgação

Santos muda volante e deixa Gabriel no banco contra a Portuguesa

Lucas Otávio entra no lugar de Leandrinho no time santista para duelo pela sexta rodada do Campeonato Paulista, no Pacaembu

SANCHES FILHO, O Estado de S. Paulo

22 de fevereiro de 2015 | 09h13

O Santos muda o meio de campo, com a entrada de Lucas Otávio no lugar de Leandrinho, para enfrentar a Portuguesa neste domingo, às 16 horas, no Pacaembu, pela sexta rodada do Campeonato Paulista. Mas as principais novidades estarão no banco de reservas e podem entrar no segundo tempo: Gabriel, o artilheiro santista de 2014, com 21 gols, e o colombiano Valencia, que jogou quatro anos no Fluminense e chegou ao time da Vila Belmiro há pouco mais de um mês, com problemas físicos.

A preocupação de Enderson Moreira é achar um substituto para o lesionado Alison sem perder o poder de marcação do time na entrada da área e acrescentar qualidade na saída da bola para o ataque. A primeira tentativa, contra o São Bernardo, foi com Leandrinho ao lado de Renato, e não foi aprovada pelo treinador. No jogo deste domingo Enderson vai apostar no vigor físico e na habilidade do baixinho Lucas Otávio (1,64m de altura). Em alguns momentos, ele será o volante de contenção e em outras vai ajudar Lucas Lima na armação e até arriscar arremates de fora da área, um das suas especialidades.

"Não vou mentir. Na hora de entrar em campo no Pacaembu vou sentir aquele friozinho na barriga. Mas, quando o jogo começar, tudo volta ao normal e quero sair de campo com a vitória", disse Lucas Otávio, que conta com admiração de boa parte da torcida santista por ter sido capitão do time na conquista bi da Copa São Paulo Júnior em 2014 e eleito o melhor jogador da competição. Ele também jogou em 2013 quando o Santos ganhou pela primeira vez a Copinha, o que o faz acreditar que o Pacaembu lhe dá sorte.

O jogo também terá o reencontro de Ricardo Oliveira com a Portuguesa, clube onde o centroavante iniciou a sua carreira, em 2000. "A Portuguesa foi o clube que me projetou e por isso existe um carinho muito grande por ela. A expectativa é boa, mas não me sinto ansioso por enfrentá-la. Será mais um jogo importante para o Santos continuar pontuando e se aproximar da classificação para as quartas de final", disse o atacante de 34 anos, que já se movimenta bem e participa das principais ações ofensivas da equipe, mas por enquanto marcou só um gol em cinco jogos, e ainda de pênalti.

A contratação de Ricardo Oliveira (e a de Elano também) foi por sugestão de Robinho. Os três jogaram juntos na Libertadores de 2003, Ricardo foi o artilheiro, com nove gols, e o Santos só caiu diante do fortíssimo Boca Juniors da época, na decisão. Elano tem sido reserva de luxo, jogador de segundo tempo, enquanto Robinho e Ricardo tentam reviver a perigosa dupla de frente. Robinho joga aberto pela esquerda e fecha para área para finalizar. Do outro lado é a mesma coisa. Geuvânio atua pela direita, mas raramente levanta a bola na área, preferindo fazer a diagonal para tentar o gol.

"Sou um jogador que se movimenta bastante e que procura ser a referência na área. Claro que com um jogador como Robinho, que não tem a característica de cruzar a bola na área, dificulta um pouco. Chiquinho e Lucas Lima cruzam bem e temos outros jogadores que podem fazer isso. Mas também posso fazer gol com bola trabalhada no chão", disse.

Com larga vantagem sobre os concorrentes no Grupo D e com a classificação às quartas devendo ser alcançada por antecipação, Enderson promete iniciar um rodízio de jogadores para avaliar melhor o elenco para o segundo semestre. "Vou dar oportunidade para todos. Só posso avaliar se um jogador tem condição vendo-o jogar. Os treinamentos servem de parâmetro, para observações e para que fiquemos atentos aos atletas que estão crescendo, mas o jogo é o parâmetro maior, porque tem o aspecto não só físico, técnico, tático, mas emocional, também", explicou o técnico.

PORTUGUESA
Um dos cinco times invictos no Campeonato Paulista, a Portuguesa quer mostrar personalidade forte e inteligência para surpreender o Santos. E o time considera o duelo contra o rival como decisivo para o restante do torneio.

"É um jogo que tem a motivação extra antes mesmo da bola rolar. Temos que ser inteligentes, pois vai surgir espaço para resolvermos a partida. Contra time grande temos mais espaço, aí é ter sabedoria para saber o momento certo de infiltrar e chegar ao ataque", analisou o meia Edno, principal reforço da Lusa para o Paulistão.

O técnico Airton Silva que tem apoiado seus jogadores no meio de muita agitação nos bastidores, que podem até derrubar o presidente Ilídio Lico, acha que este "será mais um jogo de superação". Para ele, "o grupo tem se entregue com raça e luta até o final do jogo pela vitória".

A Lusa terá duas novidades. O volante Ferdinando e o atacante Popó, que cumpriram suspensão por terem sido expulsos no empate por 1 a 1 com o Audax. O meio-campista tem o retorno garantido na vaga de Renan, enquanto o centroavante parece favorito na disputa pela vaga no ataque com Rudy Cardozo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.